• AALR3 R$ 19,70 -0.25
  • AAPL34 R$ 73,76 0.27
  • ABCB4 R$ 17,02 3.28
  • ABEV3 R$ 14,74 0.34
  • AERI3 R$ 3,94 -10.05
  • AESB3 R$ 10,82 0.84
  • AGRO3 R$ 31,64 0.09
  • ALPA4 R$ 21,47 -1.01
  • ALSO3 R$ 20,22 1.76
  • ALUP11 R$ 26,38 0.73
  • AMAR3 R$ 2,48 4.20
  • AMBP3 R$ 30,37 2.50
  • AMER3 R$ 23,07 -2.49
  • AMZO34 R$ 72,52 1.38
  • ANIM3 R$ 5,71 2.88
  • ARZZ3 R$ 82,44 -0.40
  • ASAI3 R$ 15,89 3.38
  • AZUL4 R$ 22,11 4.00
  • B3SA3 R$ 11,92 2.32
  • BBAS3 R$ 36,41 2.80
  • AALR3 R$ 19,70 -0.25
  • AAPL34 R$ 73,76 0.27
  • ABCB4 R$ 17,02 3.28
  • ABEV3 R$ 14,74 0.34
  • AERI3 R$ 3,94 -10.05
  • AESB3 R$ 10,82 0.84
  • AGRO3 R$ 31,64 0.09
  • ALPA4 R$ 21,47 -1.01
  • ALSO3 R$ 20,22 1.76
  • ALUP11 R$ 26,38 0.73
  • AMAR3 R$ 2,48 4.20
  • AMBP3 R$ 30,37 2.50
  • AMER3 R$ 23,07 -2.49
  • AMZO34 R$ 72,52 1.38
  • ANIM3 R$ 5,71 2.88
  • ARZZ3 R$ 82,44 -0.40
  • ASAI3 R$ 15,89 3.38
  • AZUL4 R$ 22,11 4.00
  • B3SA3 R$ 11,92 2.32
  • BBAS3 R$ 36,41 2.80
Abra sua conta no BTG

Novo unicórnio brasileiro: Creditas recebe aporte de US$ 255 milhões

A startup de crédito foi avaliada em US$ 1,75 bilhão na rodada liderada pelo LGT Lightstone e acompanhada pelo Softbank e Kaszek Ventures
 (Exame/Germano Lüders)
(Exame/Germano Lüders)
Por Carolina IngizzaPublicado em 18/12/2020 09:06 | Última atualização em 18/12/2020 14:23Tempo de Leitura: 4 min de leitura

O Brasil ganha um novo unicórnio na reta final de 2020. A startup de crédito Creditas anuncia nesta sexta-feira, 18, o recebimento de um aporte de 255 milhões de dólares que a avaliou em 1,75 bilhão de dólares. A rodada série E foi liderada pelo LGT Lightstone e teve participação dos fundos Tarsadia Capital, Wellington Management, e.ventures e Advent International.

Os investidores anteriores da empresa, SoftBank, VEF, Kaszek Ventures e Amadeus Capital Partners também acompanharam a rodada, que começou a ser discutida em setembro. Até então, a empresa havia recebido 314 milhões de dólares em investimento.

“Temos acompanhado a Creditas há bastante tempo e entendemos que a empresa tem a combinação perfeita de um time de altíssima capacidade de entrega e um mercado endereçável enorme e que é mal atendido pelas instituições financeiras”, afirma Marcos Wilson Pereira, sócio da LGT Lightstone no Brasil.

Em carta assinada pelo presidente e fundador Sergio Furio, a Creditas se compromete a usar o capital para expandir em três frentes: fintech, soluções para o consumidor e mercado internacional.

Desde 2019, a Creditas trabalha para trazer produtos financeiros além do crédito com imóvel com garantia. Ao longo de 2020, por exemplo, ela entrou no mercado de benefícios corporativos e lançou uma loja que parcela cursos e produtos de tecnologia direto na folha de pagamento.

“A gente enxerga uma compressão nas taxas de juros no mundo inteiro. Temos a crença de que o banco do futuro vai ter que se reinventar, não pode só entregar serviços financeiros, mas sim soluções completas”, afirma Furio em entrevista à EXAME.

Dentro da agenda de ter produtos para a "casa, carro e salário" dos clientes, a Creditas não descarta fazer fusões e aquisições para acelerar o desenvolvimento de produtos. A estratégia já foi usada antes. No ano passado, por exemplo, para entrar no mercado de crédito consignado, a empresa adquiriu a Creditoo.

Expansão internacional?

Fora do Brasil, o foco da empresa é no México, em que atua há quatro meses com uma equipe de 60 pessoas. "Creditas está no início de uma jornada para penetrar o pouco explorado mercado de crédito com garantia no Brasil e no México” afirma Paulo Passoni, do SoftBank Latin America Fund.

De acordo com o Furio, as oportunidades por lá são semelhantes às do mercado brasileiro. “No México, o custo de crédito é mais barato que no Brasil, mas é um mercado com penetração baixa, os bancos não estimulam que as pessoas consumam crédito com garantias”, afirma Furio.

O presidente afirma que a empresa não deve entrar em nenhum outro país, pelo menos, pelos próximos dois anos, devido ao alto custo das expansões. "Já temos muito trabalho no Brasil e no México", diz.

Trajetória do negócio

A Creditas foi criada para oferecer opções de crédito mais baratas ao brasileiro. O negócio foi idealizado pelo espanhol Sergio Furio, que trabalhou no mercado financeiro em Nova York e ficou abismado quando soube pela namorada brasileira dos altos custos de crédito no país.

Em 2012, então, ele desembarcou em São Paulo para criar o BankFacil, uma plataforma de educação sobre crédito que prospectava clientes para os bancos tradicionais.

Foi só a partir de 2016 que a empresa entrou no mercado que a tornaria conhecida: o de crédito online com garantia de imóvel e automóvel. Foi aí que o negócio passou a adotar o nome Creditas.

Desde então, a Creditas já superou a marca de 1 bilhão de reais na carteira de crédito. Em setembro de 2020, o melhor mês da história da startup, o faturamento bateu 30,4 milhões de reais.

A projeção é que a Creditas termine 2020 com receita de 320 milhões, mais que o dobro do ano passado. Somada a receita dos três primeiros trimestres, a companhia faturou 232,1 milhões e teve prejuízo de 129 milhões de reais.

A Creditas atribui o prejuízo aos esforços para adquirir clientes, desenvolver novos produtos e expandir para outros mercados. Assim como empresas de tecnologia norte-americanas, a startup prioriza o alto crescimento ao lucro enquanto conquista espaço no mercado.

A partir do anúncio, Furio se comprometeu a divulgar trimestralmente os resultados da Creditas.

Antes dessa rodada, a empresa havia recebido um aporte de 231 milhões de dólares em julho de 2019 liderado pelo Softbank. Na época, foi avaliada em 750 milhões de dólares. 

De 0 a 10 quanto você recomendaria Exame para um amigo ou parente?

Clicando em um dos números acima e finalizando sua avaliação você nos ajudará a melhorar ainda mais.