Fundo que já investiu no Twitter coloca US$ 5 mi em fintech brasileira

Fundada em outubro de 2019, a startup Alt.bank recebeu uma injeção de capital da Union Square Ventures e pretende acelerar a inclusão financeira no país
Brad Liebmann, CEO da Alt.bank: startup recebeu aporte de 5,5 milhões de dólares e pretende crescer no Brasil (Alt.bank/Divulgação)
Brad Liebmann, CEO da Alt.bank: startup recebeu aporte de 5,5 milhões de dólares e pretende crescer no Brasil (Alt.bank/Divulgação)
M
Maria Clara Dias

Publicado em 05/05/2021 às 09:00.

Última atualização em 05/05/2021 às 14:23.

Fundada no final de 2019, a startup Alt.bank surgiu a partir de uma proposta ambiciosa: tornar a inclusão financeira uma realidade no Brasil. Para ajudar nesta missão, o fundo de venture capital Union Square Ventures acabou de anunciar um investimento de 5,5 milhões de dólares em uma rodada series A da companhia. O fundo já financiou grandes empresas em estágio inicial como Stripe, Coinbase, Twitter, Duolingo, entre outras.

Além da Union Square Ventures, também participaram da rodada o Cathay Innovation, de Paris, e o Anthemis Group e Jigsaw VC, de Londres. Todos investindo pela primeira vez na América do Sul. Também participaram da rodada Taavet Hinrikus, fundador e CEO da TransferWise, Nick Talwar, presidente e CEO da CircleUp e Iñaki Berenguer, fundador e CEO da CoverWallet.

O que atraiu os investidores foi, muito possivelmente, a missão social da companhia. A fintech oferece conta, cartão de débito e cartão virtual pré-pago grátis. Mas, segundo o fundador e CEO da empresa, Brad Liebmann, o grande diferencial está na concessão de taxas justas de juros para crédito.

“Queria construir uma empresa não apenas bem-sucedida financeiramente, mas com algum propósito social”, disse. Para isso, Liebmann selecionou os países mais populosos do mundo e, após algumas visitas, escolheu o Brasil e os mais de 100 milhões de habitantes que se queixam de práticas abusivas de crédito por aqui. “Foi uma escolha fácil. Começamos uma empresa em São Paulo e agora estamos maiores do que imaginávamos". No conselho da fintech, além de Liebmann estão os presidentes do Dr. Consulta, CircleUp e o ex-CEO do Santander na América Latina Michel Goguikian.

Com o aporte, o Alt.Bank planeja o lançamento dos primeiros produtos de crédito, como um cartão e empréstimos pessoais, além da aquisição de novos talentos. A intenção, segundo o fundador, é contratar profissionais de tecnologia já nos próximos meses.

Primeira fintech britânica

A Alt.bank não é o primeiro negócio de Liebmann. O empreendedor, que é também um ex-consultor de empresas de Wall Street, fundou a Simply Business, com sede em Londres, e que pode ser considerada a primeira fintech do Reino Unido, de acordo com o empreendedor. A Simply Business foi comprada em 2017 por 480 milhões de dólares pela gigante seguradora norte-americana Travellers.

Longe dos bancos digitais, no Brasil o Alt.bank compete diretamente com os credores mais tradicionais do mercado, tal como o Santander e a Crefisa. No caso das fintechs, competem com a empresa apenas as que oferecem taxas de juros relativamente altas, segundo o fundador.

A nova injeção de capital também servirá para aumentar a base de clientes por aqui. Desde a sua criação, a fintech já contabiliza mais de 1 milhão de downloads. Sem mencionar números, Liebmann diz que o objetivo é ter “alguns milhões” de usuários nos próximos anos.

Em outra frente, a fintech também espera ampliar a parceria com varejistas. Atualmente, estão em funcionamento parcerias com as redes Droga Raia, Drogasil e Pague Menos,na qual clientes da fintech têm descontos de 5% a 30% em compras utilizando o cartão.

Quais são as tendências entre as principais startups do Brasil e do mundo? Assine a EXAME e saiba mais.

De 0 a 10 quanto você recomendaria Exame para um amigo ou parente?

Clicando em um dos números acima e finalizando sua avaliação você nos ajudará a melhorar ainda mais.