PME

Após tombo na pandemia, PelloMenos aposta no online para voltar a crescer

Em 2020, faturamento da rede especializada em depilação caiu 48%. Para a retomada, Regina Jordão, fundadora da Pello Menos, aposta em clube de assinaturas e e-commerce

Regina Jordão, fundadora da Pello Menos: para manter as lojas, empreendedora zerou royalties por cinco meses (Exame/Divulgação)

Regina Jordão, fundadora da Pello Menos: para manter as lojas, empreendedora zerou royalties por cinco meses (Exame/Divulgação)

No primeiro ano da pandemia, o setor de franquias sofreu um baque profundo, com uma queda de 10,5% no faturamento em 2020. Foi a primeira retração do segmento desde o início da série histórica pesquisada pela Associação Brasileira de Franchising (ABF). 

Garanta o seu lugar entre as melhores do Brasil, entre no ranking Negócios em Expansão 2022

O impacto dos meses com lojas fechadas e menor atividade econômica não poupou nem mesmo franquias tradicionais, como a Pello Menos. Fundada em 1996, a rede especializada em depilação, que conta com 45 unidades, viu seu faturamento tombar 48% em 2020, saindo de R$ 46 milhões para R$ 24 milhões de um ano para o outro. 

“O nosso negócio é físico, não dá para adaptar para o online. Nós perdemos muitos clientes, alguns se acostumaram com a lâmina e não voltaram mais. Com isso, até hoje o volume de atendimentos ainda está 70% abaixo do patamar pré-pandemia”, diz Regina Jordão, fundadora da Pello Menos. 

Para evitar que as lojas fechassem, durante cinco meses Jordão suspendeu a cobrança de royalties dos franqueados. Como consequência, a franqueadora ficou com o faturamento totalmente zerado. 

A empreendedora utilizou as próprias economias para arcar com os custos operacionais da empresa, como pagamento de funcionários. “Mesmo assim, tive de suspender o contrato de mais da metade da equipe e ficar com apenas sete profissionais”, diz. 

O prejuízo só não foi maior porque, desde 2017, a rede resolveu inovar e lançar um clube de assinatura de depilação. Com planos a partir de R$69,90, os clientes pagam uma taxa por mês para terem acesso à sessões de depilação com até 40% de desconto.

“Na pandemia, fiz contato com todos os clientes para que eles mantivessem as assinaturas mesmo sem utilizar, ficando com créditos para quando reabríssemos”. Como resultado, apenas 1 mil dos 12 mil assinantes na época cancelaram o serviço. 

E-commerce e planos para o futuro 

Atualmente, o clube conta mais de 20 mil assinaturas e a meta é chegar ao final do ano com mais 10 mil clientes. Fora isso, o objetivo é crescer o faturamento da rede em 50%. Uma das apostas para a expectativa se torne realidade é o lançamento de um e-commerce, no qual é possível adquirir os pacotes de depilação online. 

“Com isso, queremos focar em dois públicos: aquele que não passa na loja e não conhece e quem deseja presentear amigos e familiares com o serviço. Criamos várias ações de marketing e promoções pensando em datas comemorativas". 

O carro-chefe da rede ainda hoje é a depilação com cera, uma vez que a Pello Menos ganhou fama ao desenvolver uma cera depilatória exclusiva, mais elástica e capaz de ser aplicada em grandes áreas, o que otimiza o tempo das sessões. 

Porém, com a popularização das redes de depilação a laser, a Pello Menos também teve que se render ao método e, desde 2021, disponibilizou pacotes com laser para os clientes. Jordão, porém, acredita que mesmo com a tecnologia se tornando cada vez mais acessível, a tradicional cera ainda vai continuar tendo espaço no mercado. 

“Tem uma série de públicos, como adolescentes e grávidas, que não podem fazer a depilação a laser. Outros, como os idosos, que tem pelos grisalhos, em que a tecnologia não é eficaz. Vamos focar nessa parcela que não pode ser atendida satisfatoriamente pelo laser”. 

Segundo a empreendedora, a ideia também não é substituir a cera por laser na rede. “Toda vez que uma nova loja de laser abria, meus franqueados se desesperavam. Mas eu sempre disse para eles que a cera iria continuar existindo, só íamos mudar a estratégia de público-alvo”. 

Lições do empreendedorismo 

Esteticista de formação, Jordão sempre quis empreender na área. Em 1994, em uma viagem para os Estados Unidos, a empreendedora conheceu um tipo de cera diferente das existentes no mercado brasileiro até então, mais maleável e que prometia ser mais indolor. 

Ao voltar para o Brasil, Jordão trouxe uma amostra da cera na mala e, com a ajuda de uma amiga que era química, começou a desenvolver uma fórmula própria. Depois de dois anos realizando testes, encontrou a combinação para a cera que utiliza até hoje nas lojas da rede. 

O empurrãozinho para empreender, entretanto, só veio após Jordão e o marido advogado ficarem desempregados. O casal, então, resolveu investir os R$ 40 mil da rescisão que haviam recebido na primeira loja, localizada em Copacabana. 

“Na época, fazer depilação era muito caro, a cera endurecia rápido, tinha que ser feito em pequenas áreas por vez. Como a cera que havíamos criado era mais maleável, fazíamos meia perna, buço, em 25 minutos. A partir daí, passamos a oferecer um preço mais baixo e lucrar com o volume de atendimentos”. 

O negócio cresceu de boca a boca e, nos primeiros seis meses, Regina já havia atendido mais de 1 mil clientes. Com a alta demanda, a segunda loja começou a ser estruturada. Também não tardou para que a empreendedora recebesse propostas de pessoas interessadas em abrir unidades da Pello Menos. 

O mercado de franquias, porém, ainda não estava amadurecido e Jordão resolveu licenciar a marca. Após dez anos, com 36 novas unidades da Pello Menos licenciadas, veio uma reviravolta. 

Jordão enfrentou um processo movido por seis dos seus  licenciados. Acontece que, por mais que a rede não funcionasse como franquia, a empreendedora cobrava que os licenciados seguissem um padrão, ignorando totalmente a Lei de Franquias, criada em 1994. 

Como reparação, os licenciandos exigiam que Jordão os ressarcisse com o pagamento de cinco anos em royalties. 

O processo acabou não indo para frente, mas serviu de lição. Para regularizar o negócio, Jordão investiu R$ 100 mil reais e formatou os modelos de franquias da Pello Menos, em 2007. “No final, tudo isso acabou sendo bom tanto para mim quanto para os franqueados, que ganhamos um respaldo legal”, finaliza. 

Acompanhe tudo sobre:Aladas-na-ExameBelezaEmpreendedorismoFranquiashigiene-pessoal-e-beleza

Mais de PME

Mais na Exame