Negócios

Toyota suspende entrega de veículos após irregularidades em teste de segurança no Japão

Investigação do governo do Japão descobriu que várias montadoras mostraram dados incorretos ou manipulados sobre esses testes para conseguir certificação dos veículos

Mateus Omena
Mateus Omena

Repórter da Home

Publicado em 3 de junho de 2024 às 16h11.

Última atualização em 3 de junho de 2024 às 16h23.

Nesta segunda-feira, 3, a Toyota e a Mazda anunciaram a suspensão das entregas de alguns modelos após o Ministério dos Transportes do Japão detectar irregularidades nos pedidos de certificação de certos veículos. A medida foi tomada levando em conta também a intensidade do escândalo.

Uma investigação revelou que as montadoras submeteram dados de testes de segurança incorretos ou manipulados para obter a certificação de seus veículos. O ministério também identificou problemas semelhantes em pedidos de certificação de outras montadoras, como Honda, Suzuki e Yamaha Motor, segundo informações do site Fortune.

Diante da situação, a Toyota, a Mazda e a Yamaha interromperam as remessas de alguns de seus veículos. As autoridades japonesas anunciaram também que será realizada uma inspeção na sede da Toyota, na província de Aichi, na próxima terça-feira, 4.

Como o escândalo começou?

O caso começou depois que o ministério solicitou, no final de janeiro, que as montadoras revisassem seus pedidos de certificação, em resposta a uma situação polêmica envolvendo testes de segurança na unidade de carros compactos Daihatsu da Toyota, que ocorreu em 2023.

A revelação recente gerou preocupações na assembleia geral anual da Toyota, que ocorrerá no final deste mês. Como resultado, as influentes empresas de consultoria Institutional Shareholder Services (ISS) e Glass Lewis recomendaram que os acionistas votem contra a reeleição de Akio Toyoda como presidente da empresa.

O executivo admitiu que alguns veículos não passaram pelo processo de certificação adequado antes de serem vendidos. A montadora do mundo confirmou a suspensão temporária das entregas e vendas de três modelos fabricados no Japão.

"Como responsável pelo Grupo Toyota, gostaria de pedir sinceras desculpas aos nossos clientes, aos fãs de carros e a todas as partes interessadas pelo ocorrido", declarou Toyoda, neto do fundador da montadora e seu ex-diretor-executivo, em uma coletiva de imprensa.

Quais veículos estão comprometidos?

Em um comunicado, a Toyota já havia afirmado que o erro ocorreu durante seis testes realizados em 2014, 2015 e 2020. Os veículos afetados são três modelos de produção: o Corolla Fielder, o Corolla Axio e o Yaris Cross. Além de versões de quatro modelos populares, incluindo um vendido sob a marca de luxo Lexus. A montadora ressaltou que não houve problemas de desempenho que violassem os regulamentos e que os clientes não precisam parar de usar seus veículos.

A Mazda, por sua vez, suspendeu as entregas do esportivo Roadster RF e do hatchback Mazda2 desde a quinta-feira da semana passada, após descobrir que funcionários haviam alterado os resultados dos testes do software de controle do motor.

A empresa identificou adulterações nos testes de colisão dos modelos Atenza e Axela, que não estão mais em produção. Em vez de usar um sensor de bordo para detectar uma batida, foi utilizado um cronômetro para acionar os airbags durante alguns testes de colisão frontal.

Efeito negativo no mercado

As ações da Toyota fecharam em queda de 1,8%, com desempenho inferior ao ganho de 0,9% do índice Topix. Enquanto as ações da Mazda caíram 3,3%, segundo a Reuters.

Acompanhe tudo sobre:ToyotaJapão

Mais de Negócios

Inteligência Artificial no Brasil: inovação, potencial e aplicações reais das novas tecnologias

Mundo sem cookies: as big techs estão se adequando a uma publicidade online com mais privacidade

Ligadona em você: veja o que aconteceu com a Arapuã, tradicional loja dos anos 1990

A empresa inglesa que inventou a retroescavadeira vai investir R$ 500 milhões no Brasil — veja onde

Mais na Exame