Superssafra de grãos impulsiona perspectiva para a Rumo, de logística

A Rumo, gigante da logística que possui 13.500 km de linhas ferroviárias, começou 2021 com o dobro de contratos do que tinha um ano atrás para o transporte de commodities

O pipeline da maior operadora ferroviária nacional está repleto de contratos para transportar grãos no primeiro semestre deste ano, já que o comércio global de commodities tem sido menos incerto após o alívio da guerra comercial EUA-China, enquanto as perspectivas para a safra do Brasil ainda são de uma produção abundante.

A Rumo, gigante da logística que possui 13.500 quilômetros de linhas ferroviárias que ligam o centro agrícola do país aos maiores portos costeiros, começou neste ano com o dobro de contratos do que tinha um ano atrás para o transporte de commodities agrícolas, disse o CEO João Alberto Abreu, em entrevista.

Como o conflito comercial entre os Estados Unidos e a China foi amenizado, reduzindo incertezas do mercado agrícola global, as tradings estabeleceram mais contratos de transporte ferroviário com antecedência, disse o executivo. Além disso, os preços do diesel, que agregam custos ao transporte por caminhões dos concorrentes rodoviários, estão se recuperando após a pandemia do ano passado, enquanto os preços atrativos das commodities levaram os agricultores a vender mais grãos. “Temos um ambiente competitivo mais equilibrado neste ano.”

Em 2020, o desempenho da empresa foi atingido por um conjunto de fatores que reduziram em mais da metade suas margens de lucro, mesmo com o aumento de 4% no volume transportado. Um deles foi a concorrência mais acirrada vinda do corredor de exportação do Norte. As tradings reduziram os custos de embarque de soja e milho pelos portos da Região Norte após o asfaltamento total da BR-163, estrada que conecta o cinturão de grãos a esses terminais do chamado Arco Norte.

Impulsionado pela safra recorde no Brasil no ano passado, esse corredor carregou 16% mais soja em 2020 do que no ano anterior, segundo dados da Abiove.

A Rumo, controlada pela Cosan, espera transportar pelo menos 15% mais de commodities em 2021 em relação ao ano passado e aumentar o lucro operacional em pelo menos 9%, depois da queda de 4,3% em 2020, a empresa disse no inicio deste mês. “Esperamos que 2021 seja um ano mais favorável.”

Mesmo depois de alguns problemas climáticos, o Brasil vem colhendo uma safra recorde de soja, que será embarcada sobretudo no primeiro semestre deste ano. Para o segundo semestre, onde os line ups do porto são dominados principalmente por embarques de milho e açúcar, a perspectiva ainda é de uma produção abundante para ambas as commodities, apesar das adversidades climáticas.

O executivo disse que ainda é cedo para especular sobre o impacto do atraso histórico do plantio da segunda safra de milho, que responde por 75% da produção nacional. “Ainda temos muitos meses pela frente. Os agricultores têm tecnologia para amenizar os impactos dos atrasos ”, disse.

De 0 a 10 quanto você recomendaria Exame para um amigo ou parente?

 

Clicando em um dos números acima e finalizando sua avaliação você nos ajudará a melhorar ainda mais.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.