Estamos de cara nova! E continuamos com o conteúdo de qualidade.
Nova Exame

Petrobras pagará R$ 15 milhões ao Comitê Rio 2016, diz fonte

Segundo fonte, a Petrobras pagará a quantia ao comitê da Olimpíada para ajudar a amenizar o déficit de entre R$ 400 milhões e R$ 500 milhões do órgão

Rio de Janeiro - A Petrobras pagará 15 milhões de reais ao comitê organizador da Olimpíada Rio 2016 para ajudar a amenizar o déficit de entre 400 milhões e 500 milhões de reais do órgão, disse à Reuters uma fonte ligada à estatal.

O acordo da Petrobras com o comitê Rio 2016 dará à estatal o direito de explorar a imagem de atletas que já contam com o apoio institucional da empresa a partir de agosto, mês da Olimpíada, quando o direito de explorar a imagem de atletas fica restrito a patrocinadores oficiais dos Jogos ou do Comitê Olímpico Internacional (COI).

“Estamos liberando 15 milhões para poder fazer ações do tipo como comprar banners e placas de publicidade, além de comprar o direito de imagem dos atletas do Time Petrobras durante a Olimpíada”, disse à Reuters uma fonte da empresa, sob condição de anonimato.

“Não estamos comprando cota de patrocínio não. A Petrobras não tem verba para comprar uma cota pelos motivos já conhecidos”, completou a fonte da estatal de petróleo. A Petrobras vive atualmente uma situação delicada.

É a petroleira mais endividada do mundo e foi abalada pelo bilionário esquema de corrupção investigado pela operação Lava Jato.

O acordo com a estatal é resultado de conversas que o Comitê Rio 2016 tem mantido com empresas públicas federais em busca de amenizar o rombo nas contas do órgão, disse à Reuters uma fonte ligada à organização dos Jogos. Segundo a fonte, há tratativas com os Correios e eventuais negociações com a Eletrobras seriam "bem-vindas".

"Há conversas em andamento e pode haver novidades até o início dos Jogos", declarou a fonte envolvida na organização do evento, que se inicia no dia 5 de agosto.

Os Correios já são patrocinadores oficiais da Olimpíada e o que está em discussão é um novo aporte da empresa ou uma alternativa que proporcione mais recursos ao comitê. Procurada, a empresa informou à Reuters que “no momento, não temos qualquer previsão de cotas adicionais de patrocínio para o Comitê Rio 2016”.

A Eletrobras informou desconhecer a possibilidade de apoio. Uma fonte ligada à Furnas, que faz parte do grupo Eletrobras, tem projetos de apoio ao esporte e patrocina atletas olímpicos, declarou “que não há discussão nesse sentido”.

Paralelamente a essas conversas, o Comitê Rio 2016 está fazendo esforços internos para cortar gorduras e evitar o déficit ao fim dos Jogos. Além de já ter reduzido estruturas temporárias, custos operacionais e número de voluntários, o comitê trabalha no momento com um novo plano de desmobilização de pessoas após os Jogos.

A dispensa de funcionários contratados para trabalhar na preparação da Olimpíada e da Paralimpíada se dará em um ritmo mais rápido.  

“A gente está cortando tudo que podemos cortar. Vamos trabalhar com recursos privados e orçamento equilibrado. Quando o orçamento desequilibra, a gente corta”, revelou a fonte ligada à organização.

O prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, disse estar atento com o eventual impacto que um déficit do comitê pode provocar nas contas municipais, já que pelo acordo firmado, caberá aos governos estadual e municipal do Rio se dividirem para cobrir o eventual rombo do comitê organizador.

Como o governo estadual está em situação financeira extremamente delicada, Paes teme que o prejuízo acabe ficando integralmente com o município e disse que tem pressionado o comitê para não fechar no vermelho.

“Se eu coloquei essa imposição para cortar custos aqui, porque eles não podem cortar? Tem que cortar e vão conseguir”, sentenciou o prefeito à Reuters. “Acho que não vai ficar no negativo. A solução é reduzir custos, fazer direito. Isso não é problema nenhum. Sempre tem unha para cortar.”

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também