Petrobras, Camargo Corrêa, Cosan e Odebrecht se associam em etanol

Associação também inclui Copersucar e Uniduto e tem como objetivo desenvolver um sistema logístico multimodal para transporte e armazenagem de líquidos

Etanol: o capital social da companhia será, inicialmente, de 100 milhões de reais (Arquivo)
Etanol: o capital social da companhia será, inicialmente, de 100 milhões de reais (Arquivo)
DR

Da Redação

Publicado em 16 de novembro de 2010 às 11h56.

São Paulo – A Petrobras aprovou a assinatura de um termo de compromisso de associação com a Camargo Corrêa, a Copersucar, a Cosan, a Odebrecht Transport Participações e a Uniduto Logística. O objetivo do termo é estabelecer uma associação, em uma única empresa, para o desenvolvimento, construção e operação de um sistema logístico multimodal para transporte e armazenagem de líquidos, com ênfase em etanol.

O acordo marca a unificação de três projetos de alcooldutos existentes no país. Foram realizados estudos preliminares conjuntos da PMCC Soluções Logísticas de Etanol S.A (da qual são acionistas a Petrobras e a Camargo Corrêa), Uniduto e OTP, visando a implementação de um único projeto de transporte e armazenagem de etanol.

O capital social da companhia será, inicialmente, de 100 milhões de reais, composto exclusivamente por ações ordinárias, nominativas e sem valor nominal. As ações se dividirão em 20% para a Copersucar, 20% para a Cosan, 20% para a OTP e 20% para a Petrobras. Camargo Corrêa e Uniduto terão 10% cada.

"As partes estudarão o modelo societário e fiscal mais adequado e definirão em 60 dias a forma mais eficiente de associação, garantindo a continuidade dos projetos que estão sendo conduzidos pela PMCC", informou a Petrobras em comunicado ao mercado. A associação será efetuada através de uma nova sociedade ou através da PMCC com a incorporação dos novos sócios.

Mais de Negócios

Grupo J&F anuncia investimento de R$ 25 bilhões e criação 10 mil empregos no Brasil

Desenrola para empresas: veja perguntas e respostas sobre os novos programas para MEIs

Raízen Power mira as pequenas empresas para oferecer economia na conta de luz

Kaszek começa a usar caixa de US$ 1 bilhão e diz estar aberta a negócios

Mais na Exame