Negócios

O que diz o Assaí sobre acusação de discriminação e possível multa

Assaí pode pagar multa de 870 mil reais após cliente negro ser acusado de furto e ter que se despir em loja no interior de São Paulo

Assaí: valorização da ação da rede de atacarejo é de nada menos que 546,25% (Paulo Whitaker/Reuters)

Assaí: valorização da ação da rede de atacarejo é de nada menos que 546,25% (Paulo Whitaker/Reuters)

Marina Filippe

Marina Filippe

Publicado em 16 de agosto de 2021 às 14h44.

Última atualização em 16 de agosto de 2021 às 18h59.

Tem circulado nas redes sociais um vídeo no qual Luiz Carlos da Silva, um homem negro de 56 anos, é abordado por seguranças da rede Assaí após acusação de furto em um supermercado em Limeira, no interior de São Paulo. Segundo testemunhas, o cliente se sentiu obrigado a se despir, ficando apenas de roupa íntima em frente a outras pessoas.

Após a repercussão, a Secretaria da Justiça e Cidadania de SP deve mediar uma audiência de conciliação entre a rede Assaí Atacadista e Silva, segundo a Folha de S. Paulo. A multa por discriminação pode chegar a 870 mil reais ou ainda na cassação de licença para operar no estado. 

Por meio de nota, o Assaí afirma que: "Sobre a notícia referente à Secretaria da Justiça e Cidadania de São Paulo, a companhia não recebeu ainda qualquer notificação, mas permanece à disposição para a audiência de conciliação". Além disso, afirma estar contribuindo com as autoridades responsáveis para que o ocorrido em 6 de agosto seja rapidamente apurado. Veja a nota completa:

"Sobre a notícia referente à Secretaria da Justiça e Cidadania de São Paulo, a companhia não recebeu ainda qualquer notificação, mas permanece à disposição para a audiência de conciliação. O Assaí está contribuindo com as autoridades responsáveis para que o ocorrido em 6 de agosto seja rapidamente apurado e entrou em contato com a família do sr. Luiz Carlos, tão prontamente soube do ocorrido, se desculpando, se prontificando para a assistência necessária e se colocando à disposição.

A família informou que entraria em contato e a empresa, em respeito a esse pedido, permanece no aguardo. Como decisão imediata diante do ocorrido, a companhia realizou uma apuração interna e desligou o funcionário responsável pela abordagem, solicitando ainda o afastamento do terceiro que o acompanhava.

Realizou ainda treinamento de reciclagem a todos(as) os 160 colaboradores(as) da loja de Limeira, cujo foco esteve em diversidade, preconceito e protocolos de atendimento. O mesmo está sendo planejado para as demais lojas.

Esta não é uma medida isolada: o Assaí está atualizando e evoluindo continuamente em procedimentos internos e construindo planos de reciclagem e aprimoramento, além de estudar outras iniciativas para serem implantadas em toda a companhia, adicionando às políticas atuais, como o Código de Ética e Política de Diversidade e promoção dos Direitos Humanos."

 

Acompanhe tudo sobre:AssaiRacismo

Mais de Negócios

Com solução para quem enfrenta o câncer, a Oncoclínicas&Co é eleita uma das Melhores do ESG

Startup do Paraná que ajuda call center a ligar para você compra empresa e mira R$ 100 milhões

Eles voltaram: depois de Floripa e POA, patinetes desembarcam no Rio e irão chegar a São Paulo

O bilionário de 80 anos que ficou US$ 40 bilhões mais rico num ano – e US$ 2,8 bi mais rico em 24h

Mais na Exame