Acompanhe:
seloNegócios

Lucro da Marcopolo tem queda de 63,6% ante 1º trimestre de 2016

Segundo a empresa, o lucro líquido foi afetado pela constituição de provisões decorrentes da reestruturação interna da companhia

Modo escuro

Continua após a publicidade
Marcopolo: o Ebitda nos três primeiros meses de 2017 somou R$ 500 mil, uma retração de 66,7% em relação ao desempenho do mesmo intervalo de 2016, de R$ 1,5 milhão (Germano Lüders/Exame)

Marcopolo: o Ebitda nos três primeiros meses de 2017 somou R$ 500 mil, uma retração de 66,7% em relação ao desempenho do mesmo intervalo de 2016, de R$ 1,5 milhão (Germano Lüders/Exame)

E
Estadão Conteúdo

Publicado em 8 de maio de 2017 às, 18h37.

São Paulo - A Marcopolo encerrou o primeiro trimestre deste ano com um lucro líquido de R$ 3,2 milhões, representando uma queda de 63,6% em comparação ao resultado líquido de R$ 8,8 milhões do mesmo período do ano passado.

Segundo a empresa, o lucro líquido foi impactado pela constituição de provisões decorrentes da reestruturação interna da companhia.

O Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) nos três primeiros meses de 2017 somou R$ 500 mil, uma retração de 66,7% em relação ao desempenho do mesmo intervalo de 2016, de R$ 1,5 milhão.

A margem Ebitda ficou em 0,1% no primeiro trimestre, ante 0,4% de um ano antes. Tirando o efeito da reestruturação, o Ebitda ajustado teria somado R$ 28,5 milhões, com margem de 5,1% no período.

De acordo com o relatório que acompanha o balanço, a linha do Ebitda foi impactada principalmente pelas despesas não recorrentes relativas à reestruturação, que somaram R$ 28 milhões.

Estes gastos foram de R$ 9,2 milhões no resultado bruto e margens; R$ 1,5 milhão nas despesas com vendas; R$ 3,2 milhões nas despesas gerais e administrativas; e R$ 14 milhões de outras despesas e receitas operacionais líquidas:

A receita líquida consolidada cresceu 29,5% e alcançou R$ 554,6 milhões no primeiro trimestre, dos quais R$ 149,8 milhões, ou 27,0% do total, proveniente do mercado interno, e R$ 404,8 milhões, representando os demais 73,0%, do mercado externo.

Segundo a empresa, o crescimento da receita líquida consolidada é reflexo do maior faturamento nas exportações, que registrou um aumento de 75,9% em unidades físicas e da expansão de 246,5% em volumes faturados pela operação localizada no México.

A receita líquida também foi impactada positivamente em R$ 84,9 milhões pela consolidação da Neobus.

O resultado financeiro líquido do primeiro trimestre foi positivo em R$ 18,1 milhões, ante R$ 28,7 milhões também positivos registrados no mesmo intervalo de 2016, explicado pelos rendimentos das aplicações financeiras, informou a empresa.

Últimas Notícias

Ver mais
40 franquias para empreender e faturar mais de R$1 milhão em 2024
seloNegócios

40 franquias para empreender e faturar mais de R$1 milhão em 2024

Há 19 horas

Internet ruim e apagão: os desafios da startup amapaense Tributei para criar um negócio de milhões
seloNegócios

Internet ruim e apagão: os desafios da startup amapaense Tributei para criar um negócio de milhões

Há 21 horas

Quem é o mineiro que investiu R$ 38 milhões em um parque de realidade virtual no interior de SP 
seloNegócios

Quem é o mineiro que investiu R$ 38 milhões em um parque de realidade virtual no interior de SP 

Há 2 dias

Mistura do Brasil com Taiwan: como eles transformaram uma bebida asiática em um negócio de R$ 30 mi
seloNegócios

Mistura do Brasil com Taiwan: como eles transformaram uma bebida asiática em um negócio de R$ 30 mi

Há 2 dias

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais