Negócios

Lucro da Energisa sobe 50% no 1º trimestre para R$873,3 milhões

A geração de caixa da empresa medida pelo Ebitda ajustado totalizou 1,42 bilhão de reais, acréscimo de 53,3%

ENERGISA (Divulgação/Divulgação)

ENERGISA (Divulgação/Divulgação)

R

Reuters

Publicado em 14 de maio de 2021 às 09h27.

A Energisa, que controla distribuidoras de energia e tem negócios em transmissão e geração renovável, anunciou na noite de quinta-feira lucro líquido consolidado de 873,3 milhões de reais no primeiro trimestre, crescimento de 50,1% sobre o mesmo período do ano passado.

Descubra as melhores oportunidades da bolsa com a ajuda da Exame Invest Pro

A geração de caixa da empresa medida pelo Ebitda ajustado totalizou 1,42 bilhão de reais, acréscimo de 53,3% na mesma comparação.

O Ebitda foi parcialmente impulsionado pelo recebimento de 264,4 milhões referentes à constituição de Fundo de Investimento em Cotas em Direitos Creditórios não padronizados (FIDC).

Além do aumento do Ebitda, o lucro líquido também foi elevado pelo efeito positivo de 251,1 milhões de reais referentes à Marcação a Mercado de Derivativos, sem efeito caixa.

As vendas de energia (mercado cativo + TUSD) caíram 0,8% no trimestre, atingindo 9.179,3 GWh, "apesar de bom desempenho do setor industrial e rural", disse a companhia.

Já os custos operacionais controláveis (PMSO) caíram 7,1% no trimestre.

A dívida líquida consolidada totalizou 14,2 bilhão de reais, enquanto a relação da dívida líquida por Ebitda ajustado recuou de 3,1 vezes em dezembro de 2020 para 3,0 vezes em março de 2021.

Os investimentos consolidados somaram 697,5 milhões de reais no primeiro trimestre, redução de 2,3% em relação ao mesmo período ano anterior.

Acompanhe tudo sobre:BalançosEnergisa

Mais de Negócios

O Brasil pode exportar peças para veículos? Essa é a aposta da Bosch após vender R$ 9,8 bilhões aqui

Startup do Amapá capta R$ 3 milhões e já tem R$ 30 milhões para emprestar na Amazônia

Você já ouviu falar na sigla DYOR? Veja por que ela é importante no universo das finanças

Com investimento de R$ 70 milhões, plataforma de renegociação de dívidas entra em operação

Mais na Exame