Kraft Heinz e TheNotCompany lançam empresa de alimentos à base de planta

The Kraft Heinz Not Company LLC quer remodelar o mercado de alimentos e estabelecer um novo padrão para itens baseados em vegetais. Matias Muchnick, cofundador e CEO da NotCo, explicou os detalhes à EXAME
 (Divulgação//)
(Divulgação//)
Por Marina FilippePublicado em 22/02/2022 15:19 | Última atualização em 22/02/2022 15:23Tempo de Leitura: 4 min de leitura

A fabricante de alimentos Kraft Heinz Company e a startup de alimentos TheNotCompany anunciaram hoje uma joint venture desenhada para reimaginar a produção global de alimentos e avançar em direção a um futuro mais sustentável. Em entrevista para a EXAME, Matias Muchnick, cofundador e CEO da NotCo explicou que a novidade visa aumentar a escala e agilidade do mercado de produtos à base de plantas.

"Queremos criar algo numa escala não vista ainda. Vamos ser globais, atender diferentes mercados e lançar produtos ainda este ano. O que levaríamos dez anos para fazermos sozinhos, poderemos fazer em dois. Sabemos que este é um mercado bastante promissor, com inovações que precisam de tempo e dinheiro para serem desenvolvidas, o que será acelerável na nova companhia", afirma.

A joint venture, que operará sob o controle da Kraft Heinz como The Kraft Heinz Not Company LLC, alavancará os pontos fortes inerentes de ambas as empresas. A NotCo traz sua tecnologia patenteada e soluções de inteligência artificial (IA), enquanto a Kraft Heinz oferece seu portfólio e escala de marcas icônicas, para desenvolver versões de produtos baseados em plantas de maneira escalável.

Atualmente, embora o interesse por alimentos à base de plantas esteja aumentando, as barreiras de sabor, variedade e disponibilidade permanecem. Assim, utilizando tecnologia, a NotCo busca obter um progresso para atender as necessidades dos consumidores ao desenvolver substitutos à base de plantas para produtos de origem animal com ingredientes mais simples que matém o sabor, a funcionalidade ou a experiência de consumo.

O mercado global de alimentos à base de plantas deve atingir US$ 77,8 bilhões em 2025, segundo a Statista. Já um relatório do  Credit Suisse mostra que a indústria à base de plantas será 100 vezes maior em 2050. Isto é, crescer dos US$ 14 bilhões atuais para US$ 1,4 trilhão até 2050. 

“A joint venture com a TheNotCompany é um passo crítico na transformação de nosso portfólio de produtos e uma adição tremenda às nossas capacidades de design para valor da marca”, disse Miguel Patricio, CEO da Kraft Heinz. “Isso ajuda a cumprir nossa visão de oferecer produtos mais limpos, verdes e deliciosos para os consumidores. Acreditamos que a tecnologia que a NotCo traz está revolucionando a criação de deliciosos alimentos à base de plantas com ingredientes mais simples.”

“Quando começamos a NotCo, nosso objetivo era tornar nossa tecnologia um catalisador para um sistema alimentar mais sustentável não apenas para nós, mas para outras marcas e fabricantes que compartilham a mesma ambição”, disse  Muchnick. “Hoje é um marco emocionante para a indústria baseada em plantas e mostra o poder do papel da tecnologia em impulsionar a adoção do público geral".

A Kraft Heinz Not Company será sediada em Chicago, com instalações de pesquisa e desenvolvimento em São Francisco e se concentrará em inovação baseada em plantas dentro das várias categorias de produtos da Kraft Heinz. Lucho Lopez-May, que atualmente é CEO da América do Norte da NotCo, se tornará CEO da The Kraft Heinz Not Company. Lucho foi anteriormente CEO da Garland Food e, antes disso, Presidente de Canais de Crescimento Estratégico do Grupo Danone.

Segundo Muchnick, ainda não há planos específicos para escritório no Brasil, mas além de pessoas das duas companhias-mães, outros funcionários serão contratados.

Em parceria com a NotCo, a Kraft Heinz pretende alavancar suas capacidades comerciais e de fabricação, com a escala das marcas de alimentos globais mais amadas, para remodelar o mercado de alimentos e estabelecer um novo padrão para inovação baseada em vegetais. Para Muchnick isto significa também ter a sustentabilidade no centro, evitando emissões de gases de efeito estuda, desmatamento e outras práticas do tradicional mercado de alimentos.

Brasil 

No Brasil, a KaftHeinz tem feito movimentos focados em aquisições, especialmente na seara de molhos e condimentos. Em 2021, a companhia comprou a Hemmer por valor não revelado e, com isto, adicionou mais de 300 produtos ao portfólio. Em seguida, em setembro, foi a vez da Spices ser comprada. Na época, a empresa tinha cerca de 70 produtos, sendo 12 deles lançados no ano passado.

Veja Também

Melhores ESG 2022: Agronegócio, alimentos e bebidas
Revista Exame
Há 2 dias • 5 min de leitura

Melhores ESG 2022: Agronegócio, alimentos e bebidas

Como as foodtechs podem acabar com a fome mundial
Um conteúdo Bússola
Há 3 dias • 9 min de leitura

Como as foodtechs podem acabar com a fome mundial