• AALR3 R$ 20,20 -0.49
  • AAPL34 R$ 66,78 -0.79
  • ABCB4 R$ 16,69 -3.75
  • ABEV3 R$ 13,98 -1.13
  • AERI3 R$ 3,67 -0.81
  • AESB3 R$ 10,70 0.00
  • AGRO3 R$ 30,74 -0.32
  • ALPA4 R$ 20,46 -1.35
  • ALSO3 R$ 18,92 -0.94
  • ALUP11 R$ 26,83 0.86
  • AMAR3 R$ 2,41 -1.23
  • AMBP3 R$ 29,84 -2.29
  • AMER3 R$ 23,45 1.56
  • AMZO34 R$ 66,86 -0.09
  • ANIM3 R$ 5,36 -2.72
  • ARZZ3 R$ 81,01 -0.23
  • ASAI3 R$ 15,95 3.24
  • AZUL4 R$ 20,93 -1.46
  • B3SA3 R$ 12,13 2.71
  • BBAS3 R$ 37,15 4.06
  • AALR3 R$ 20,20 -0.49
  • AAPL34 R$ 66,78 -0.79
  • ABCB4 R$ 16,69 -3.75
  • ABEV3 R$ 13,98 -1.13
  • AERI3 R$ 3,67 -0.81
  • AESB3 R$ 10,70 0.00
  • AGRO3 R$ 30,74 -0.32
  • ALPA4 R$ 20,46 -1.35
  • ALSO3 R$ 18,92 -0.94
  • ALUP11 R$ 26,83 0.86
  • AMAR3 R$ 2,41 -1.23
  • AMBP3 R$ 29,84 -2.29
  • AMER3 R$ 23,45 1.56
  • AMZO34 R$ 66,86 -0.09
  • ANIM3 R$ 5,36 -2.72
  • ARZZ3 R$ 81,01 -0.23
  • ASAI3 R$ 15,95 3.24
  • AZUL4 R$ 20,93 -1.46
  • B3SA3 R$ 12,13 2.71
  • BBAS3 R$ 37,15 4.06
Abra sua conta no BTG

Instituto Butantan e Merck vão desenvolver vacina contra dengue no Brasil

As duas instituições irão compartilhar dados clínicos e outros aprendizados de seus programas de pesquisa
Fachada do Instituto Butantan, em São Paulo: instituição pública faz parceria com farmacêutica (USP Imagens/Marcos Santos)
Fachada do Instituto Butantan, em São Paulo: instituição pública faz parceria com farmacêutica (USP Imagens/Marcos Santos)
Por Taís Haupt, da ReutersPublicado em 13/12/2018 16:41 | Última atualização em 13/12/2018 16:41Tempo de Leitura: 3 min de leitura

São Paulo- O Instituto Butantan e a farmacêutica norte-americana Merck Sharp and Dhome (MSD) anunciaram nesta quarta-feira ter firmado uma parceria para desenvolver uma vacina contra o vírus da dengue.

As duas instituições irão compartilhar dados clínicos e outros aprendizados de seus programas de pesquisa de desenvolvimento de uma vacina para a doença transmitida pelo mosquito Aedes Aegypti.

Butantan e Merck licenciaram juntos certos direitos junto ao Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas dos EUA (NIAID, na sigla em inglês) para o desenvolvimento de uma vacina com o vírus da dengue atenuado.

"Ao compartilhar dados de nossos programas de desenvolvimento de vacinas em andamento, o Instituto Butantan e a Merck estão mais bem posicionados para atingir nossa meta de reduzir o significativo impacto humano e econômico do vírus da dengue no Brasil e no mundo", disse o diretor do Instituto Butantan, dr. Dimas Covas.

O Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que 50 a 100 milhões de infecções sintomáticas ocorrem anualmente, incluindo cerca de 500 mil casos graves. No Brasil, o maior número de casos foi registrado em 2015, com 1,6 milhão de registros da doença e 863 óbitos. Em 2018, mais de 187 mil casos foram registrados até agosto.

A Merck fará um pagamento antecipado de 26 milhões de dólares para que o Butantan seja responsável pela fabricação e comercialização de sua vacina experimental no Brasil. O Instituto poderá ainda receber até 75 milhões de dólares por alcançar certos marcos relacionados a pesquisa e comercialização da vacina experimental da Merck.

"Este acordo reconhece o tremendo progresso que cientistas e médicos do Instituto Butantan fizeram no desenvolvimento de sua vacina contra o vírus da dengue", disse o presidente da Merck Research Laboratories, Dr. Roger M. Perlmutter.

O Butantan está na Fase 3 de um estudo para verificar a eficácia de uma vacina de dose única produzida pelo Instituto em São Paulo, desenvolvida para prevenir a dengue.

Os cientistas pretendem inscrever cerca de 17 mil pessoas saudáveis de 15 cidades distintas e com idade entre 2 e 59 anos na pesquisa, que deve durar 5 anos, para determinar a segurança e eficiência da vacina. O responsável pelo estudo é o Dr. Esper Kallas, da Universidade de São Paulo.

A pesquisa anteriormente recebeu financiamento de 120 milhões de reais do Banco Nacional de Desenvolvimento (BNDES). Pelo contrato firmado com o banco, o Instituto Butantan deve transferir 5 por cento das receitas obtidas com o acordo com a Merck e com a comercialização da vacina no exterior ao BNDES, no primeiro caso de retorno de recursos aplicados pelo banco, de acordo com próprio BNDES.

No final de 2017 a OMS anunciou que revisaria a segurança de uma vacina contra a dengue da Sanofi, depois que a farmacêutica francesa afirmou que o medicamento poderia piorar a doença em alguns casos.