Acompanhe:
seloNegócios

GOL atrai R$ 948 milhões da American Airlines e busca novas captações

Investimento será realizado como parte do aumento de capital de no máximo R$ 2,8 bi aprovado por conselho da companhia

Modo escuro

Continua após a publicidade
Avião da GOL no Aeroporto de Congonhas (Germano Lüders/Exame)

Avião da GOL no Aeroporto de Congonhas (Germano Lüders/Exame)

E
Estadão Conteúdo

Publicado em 9 de abril de 2022 às, 11h41.

O conselho de administração da GOL aprovou nesta sexta, 8, um aumento de capital no montante de, no mínimo, R$ 948,3 milhões e, no máximo, R$ 2,8 bilhões, com a emissão de até 67,3 milhões ações preferenciais. O preço de emissão por ação preferencial será de R$ 42,67, com base no fechamento das ações na B3 dos últimos 60 pregões, acrescido de um ágio de 257,36%.

A operação ocorre diante do acordo de cooperação comercial firmado em fevereiro com a American Airlines, que previa o aumento de capital. Na operação, a aérea dos EUA assumiu o compromisso de investir US$ 200 milhões (R$ 948,3 milhões) na GOL, além de fazer parcerias em compartilhamento de voos e em programas de milhagens. Ao fim, a American Airlines terá uma participação de aproximadamente 5,3% na GOL. Segundo a aérea, o aumento de capital tem como objetivo fortalecer a estrutura de capital da empresa.

O valor total do aumento de capital da GOLvai depender de adesões além da American Airlines, que já garantiu o valor mínimo de R$ 948,3 milhões. Os atuais acionistas da companhia terão preferência na compra de novos papéis - o prazo de exercício desse direito será de 30 dias, contados a partir de 13 de abril.

Acionistas

Para o analista da Mirae Asset, Pedro Galdi, a subscrição pode levar a uma diluição dos atuais acionistas. "Considerando que a GOLfoi fortemente impactada pela pandemia, captações como esta são importantes e abrem a porta para novos sócios", diz. Já Rodrigo Crespi, da Guide, pensa que a diluição não deve ser grande. "O preço de emissão é bastante alto."

Os analistas do Goldman Sachs Bruno Amorim, João Frizo e Guilherme Costa Martins escreveram em relatório que, embora os acionistas tenham direito de preferência para subscrever as novas ações, é "improvável que outros investidores participem, dado o prêmio em relação aos preços atuais".

Para eles, o efeito da operação é neutro para a aérea: "Continuamos com recomendação de compra para a GOL, mas reconhecemos que o recente aumento nos preços dos combustíveis pode levar a uma pressão de curto prazo sobre as margens, embora acreditemos que as companhias aéreas de prazo mais longo sejam capazes de repassar esses preços mais altos para as tarifas", escreveram.

Últimas Notícias

Ver mais
"Novo chamado": com R$ 1 bi em receita, francesa compra negócio no Brasil para ser a TI das empresas
seloNegócios

"Novo chamado": com R$ 1 bi em receita, francesa compra negócio no Brasil para ser a TI das empresas

Há 18 horas

Jensen Huang, fundador da Nvidia, fica R$ 41,5 bilhões mais rico em menos de 24 horas
seloNegócios

Jensen Huang, fundador da Nvidia, fica R$ 41,5 bilhões mais rico em menos de 24 horas

Há 20 horas

Chega de teoria: veja, na prática, como criar um negócio do zero utilizando ferramentas de IA
seloNegócios

Chega de teoria: veja, na prática, como criar um negócio do zero utilizando ferramentas de IA

Há 23 horas

Goldman Sachs lidera aporte de US$ 55 mi em Simetrik, startup que tem Brasil como pilar de expansão
seloNegócios

Lego do acerto de contas, Simetrik capta US$ 55 mi para avançar no Brasil

Há um dia

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais