GM propõe suspensão de contratos de 250 funcionários em SP, diz sindicato

A proposta prevê que os contratos ficariam suspensos entre 12 de julho e 25 de agosto. A suspensão dos contratos se daria com base MP 1.045, que criou o Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda, afirmou o sindicato

GM (Roosevelt Cassio/Reuters)

GM (Roosevelt Cassio/Reuters)

R

Reuters

Publicado em 6 de julho de 2021 às 14h12.

Última atualização em 6 de julho de 2021 às 14h16.

A General Motors propôs a suspensão de contratos de trabalho de 250 trabalhadores de sua fábrica em São José dos Campos (SP), citando falta de peças que atinge o setor automotivo, informou o sindicato de metalúrgicos da região, nesta terça-feira.

"Em assembleia realizada nesta terça-feira, os trabalhadores decidiram que só aceitarão a suspensão de contratos se a medida vier, obrigatoriamente, acompanhada de estabilidade no emprego para todos, enquanto vigorar o acordo", afirmou o Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos em comunicado à imprensa.

A proposta prevê que os contratos ficariam suspensos entre 12 de julho e 25 de agosto.

A suspensão dos contratos se daria com base Medida Provisória 1.045, que criou o Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda, afirmou o sindicato. A interrupção por este mecanismo é permitida por até 120 dias. A proposta final será votada pelos metalúrgicos, em assembleia, na quinta-feira, informou a entidade, acrescentando que uma nova reunião entre GM e sindicato está marcada para a quarta-feira.

Assine a EXAME e acesse as notícias mais importante em tempo real.

Mais de Negócios

Volume de negociação com bitcoin atinge maior patamar em dois anos. Veja quem lidera

Esse carioca criou um banco no WhatsApp — que acabou de nascer, mas já movimentou R$ 13 milhões

Mercado de bubble tea dá origem a bilionários na China

Cartão de crédito consignado: o que é, como funciona e quem pode contratar

Mais na Exame