Negócios

Fusões e aquisições sinalizam melhor 1º tri em duas décadas no mundo

Acordos de fusão e aquisição voltaram com força total no primeiro trimestre e atingiram recorde de US$ 1,1 trilhão com o apetite renovado de investidores após a desaceleração causada pela pandemia

Acordos de fusão e aquisição voltaram com força total no primeiro trimestre e atingiram recorde de US$ 1,1 trilhão com o apetite renovado de investidores após a desaceleração causada pela pandemia (/anyaberkut/Thinkstock)

Acordos de fusão e aquisição voltaram com força total no primeiro trimestre e atingiram recorde de US$ 1,1 trilhão com o apetite renovado de investidores após a desaceleração causada pela pandemia (/anyaberkut/Thinkstock)

LB

Leo Branco

Publicado em 1 de abril de 2021 às 18h19.

Última atualização em 1 de abril de 2021 às 19h36.

Acordos de fusão e aquisição voltaram com força total no primeiro trimestre e atingiram recorde de US$ 1,1 trilhão com o apetite renovado de investidores após a desaceleração causada pela pandemia e negócios de empresas de cheque em branco.

É o melhor começo de ano desde pelo menos 1998, segundo compilados pela Bloomberg.

As fusões e aquisições dispararam em todas as regiões, onde a América do Norte liderou com US$ 644 bilhões em transações. Acordos de empresas europeias que fizeram aquisições aumentaram 41%, para US$ 286 bilhões, enquanto companhias na Ásia-Pacífico gastaram US$ 261 bilhões.

“Não vejo esses níveis de atividade há muito tempo e não vejo uma desaceleração significativa tão cedo”, disse Alison Harding-Jones, responsável por fusões e aquisições para a Europa, Oriente Médio e África no Citigroup.

“As ações estão muito valorizadas, os mercados financeiros são favoráveis e há dinheiro entrando de vários lugares.”Depois que as restrições da Covid-19 paralisaram assessores de acordos e ameaçaram as receitas dos setores no ano passado, o otimismo sobre os programas de vacinas e o crescimento econômico impulsionam o boom de 2021, disseram negociadores.

O movimentado primeiro trimestre resultou em uma recuperação das fusões e aquisições que começou no final do ano passado.

O que está falta? Os megacordos - aqueles gigantes de mais de US$ 50 bilhões que sacodem o mercado e atraem maior escrutínio de reguladores.

Não há registro de transações acima dessa marca desde meados de 2019, segundo os dados, quando a AbbVie fechou um acordo para adquirir a fabricante de botox Allergan por cerca de US$ 63 bilhões. Mas isso não é necessariamente algo ruim, segundo banqueiros.

“O número de negócios e o fluxo são um sinal de um mercado de F&A mais saudável, ao invés de apenas alguns grandes negócios aqui ou ali que estão distorcendo os dados”, disse Steven Baronoff, presidente de fusões e aquisições globais do Bank of America.

Enquanto isso, as SPACs - ou empresas de aquisição de propósito específico - desempenham um papel descomunal nas negociações. As chamadas empresas de cheque em branco, que captaram US$ 85 bilhões por meio de ofertas públicas iniciais em 2020 e outros US$ 99 bilhões este ano, agora começam a colocar o capital em movimento.

De 0 a 10 quanto você recomendaria Exame para um amigo ou parente?

 

Clicando em um dos números acima e finalizando sua avaliação você nos ajudará a melhorar ainda mais.

Acompanhe tudo sobre:BloombergFusões e AquisiçõesPandemia

Mais de Negócios

Startup brasileira quer usar hemogramas e IA para acelerar diagnóstico do câncer de mama

A rota da KLM para transformar viagens em conexões inesquecíveis

Lembra dela? TecToy volta a apostar no mercado game e lança computador, acessórios e até jogos

Giovanna Antonelli, Caio Castro, Deborah Secco e mais: conheça franquias com sócios famosos

Mais na Exame