Negócios

Da quase falência ao topo: como a Lego evitou o colapso com apenas uma nova estratégia?

Prestar atenção nas finanças corporativas foi a estratégia que permitiu à Lego fugir da falência e retomar sua posição de liderança no mercado de brinquedos

 “Foram dias sombrios na Lego”, contou Jake McKee, executivo da Lego entre 2000 e 2006 (Frank Rumpenhorst/picture alliance/Getty Images)

“Foram dias sombrios na Lego”, contou Jake McKee, executivo da Lego entre 2000 e 2006 (Frank Rumpenhorst/picture alliance/Getty Images)

Guilherme Santiago
Guilherme Santiago

Content Writer

Publicado em 6 de junho de 2024 às 04h50.

Construir uma marca sólida e respeitada pelo mercado demanda tempo e dedicação. Mas basta um pequeno descuido financeiro para colocar tudo a perder. Se nem mesmo as organizações centenárias estão imunes, as pequenas e médias também precisam estar alertas, pois o risco pode ser ainda maior.

Foi isso o que aconteceu com a Lego. Apesar de ser a maior e mais lucrativa fabricante de brinquedos do mundo, a companhia passou por uma grave crise financeira em 2003. Por pouco, a empresa que acumula fãs de todas as idades e por todos os países quase chegou à falência total. Foi preciso adotar uma solução simples, mas assertiva, para evitar o colapso e voltar a prosperar.

Capacite-se em Finanças: gratuito e por tempo limitado, EXAME libera acesso ao seu pré-MBA em Finanças Corporativas – garanta sua vaga aqui

Por que a Lego quase fechou as portas?

Os brinquedos em formato de blocos de construção são marca registrada da Lego, que faz isso há décadas e com frequência é vista como referência nesse segmento. Mas, no começo dos anos 2000, a empresa tomou uma decisão arriscada. Além dos tradicionais produtos, a Lego resolveu expandir o seu portfólio e incluir videogames, roupas, parques temáticos e filmes.

Mas essa mudança trouxe prejuízos financeiros para a companhia. Com uma estrutura mais complexa, os custos de produção aumentaram e o foco no que a Lego faz de melhor – produzir blocos de construção – ficou em segundo plano.

Em 2003, a empresa registrou um prejuízo de US$ 238 milhões, chegando bem perto da falência. “Foram dias sombrios na Lego”, contou Jake McKee, executivo da Lego entre 2000 e 2006, em uma entrevista para o National Geographic.

Como a Lego evitou o colapso

Em uma medida emergencial, Jorgen Vig Knudstorp recebeu a missão de resgatar a empresa que por décadas foi sucesso de vendas e público. Para se livrar da dívida milionária, o novo CEO olhou com cuidado para as finanças corporativas, que são a base de uma empresa e precisavam de atenção.

O empresário dinamarquês começou eliminando produtos que não eram lucrativos para a Lego. A decisão serviu para garantir que recursos e esforços estariam sendo investidos em setores que pudessem garantir retorno. Isso incluiu abandonar o portfólio de vestuário, eletrônicos e entretenimento – que foi retomado após a empresa recuperar sua relevância no mercado.

Liberadas com exclusividade: aulas introdutórias ao MBA em Finanças Corporativas mostram como conquistar essa habilidade de ouro

Além disso, investiu em melhorias operacionais. Fábricas ineficientes foram fechadas e produções foram transferidas para locais mais econômicos. O objetivo era alcançar um fluxo de caixa mais saudável, reduzir custos operacionais e otimizar a gestão da cadeia de suprimentos.

A Lego também restabeleceu compromissos com a inovação e a qualidade dos produtos. Justamente por simplificar seu portfólio, a companhia conseguiu alocar recursos com mais assertividade e, assim, direcionar investimentos para pesquisa e desenvolvimento de novos produtos criativos e inovadores.

E o que isso tem a ver com Finanças Corporativas?

Dominar as finanças permitiu à Lego recuperar sua posição de liderança no mercado. Em poucos anos, a empresa presenciou uma transformação: de uma crise que caminhava para a falência, a Lego se consolidou como uma das marcas de brinquedos mais bem-sucedidas e reconhecidas do mundo.

Para especialistas, o resultado positivo da marca pode ser atribuído à boa liderança associada ao conhecimento fundamentado em finanças

Com foco em preparar profissionais para tomar decisões financeiras inteligentes e estratégicas que podem economizar milhões para as empresas – a EXAME apresenta o Pré-MBA em Finanças Corporativas, um treinamento de quatro aulas que terá seu acesso liberado entre 17 e 25 de junho.

As aulas serão apresentadas por Marcelo Desterro, mestre em Finanças pelo ITA, com extenso background como CFO em empresas de capital aberto, start-ups e multinacionais. Para garantir o acesso exclusivo ao treinamento introdutório, os interessados devem realizar inscrição aqui.

QUERO PARTICIPAR DO PRÉ-MBA EM FINANÇAS CORPORATIVAS

*Este conteúdo é apresentado por Faculdade EXAME

Acompanhe tudo sobre:branded marketing

Mais de Negócios

Inteligência Artificial no Brasil: inovação, potencial e aplicações reais das novas tecnologias

Mundo sem cookies: as big techs estão se adequando a uma publicidade online com mais privacidade

Ligadona em você: veja o que aconteceu com a Arapuã, tradicional loja dos anos 1990

A empresa inglesa que inventou a retroescavadeira vai investir R$ 500 milhões no Brasil — veja onde

Mais na Exame