Acompanhe:
seloNegócios

Como o Grupo Martins quer profissionalizar pequenos comércios

Maior distribuidor do país investe em plataforma online de treinamentos para pequenos e médios varejistas que querem ganhar eficiência na crise

Modo escuro

Continua após a publicidade
Grupo Martins: 350.000 varejos são atendidos pela rede em todo o país (Germano Lüders/Exame)

Grupo Martins: 350.000 varejos são atendidos pela rede em todo o país (Germano Lüders/Exame)

T
Tatiana Vaz

Publicado em 5 de setembro de 2017 às, 12h38.

Última atualização em 5 de setembro de 2017 às, 12h48.

São Paulo – Criado há sessenta e quatro anos na cidade mineira de Uberlândia, o Grupo Martins é o maior distribuidor atacadista do país. Fatura 4,8 bilhões de reais com a venda de 25.000 itens, de chinelas e macarrão a fósforos e bombons, para mais de 350.000 varejistas, sendo que 200.000 deles compram com frequência de 40 dias.

Boa parte desses clientes, a grandíssima maioria na verdade, é formada por pequenos e médios varejos espalhados pelo país, negócios de poucos funcionários e muita demanda, em cidades onde o risco não compensa para grandes redes, como Carrefour e Magazine Luiza.

Em quase vinte anos, parte do negócio do Martins foi ofertar, em troca de boa relação comercial, treinamento e consultoria para o varejo. Mais de 16.000 projetos de transformação em supermercados foram feitos e, desde 2009, cerca de 1.000 workshops regionais dados, por meio da Universidade Martins do Varejo.

A universidade foi criada em 1989 e, desde então, já treinou 326.000 pessoas e 94.000 clientes, além de outros 83.000 usuários que passaram pelo ensino à distância. Com o Flix, a estimativa é conquistar 20.000 assinantes, dispostos a pagar  entre 19,90 e 199 reais mensais pelo acesso.

“Agora a tecnologia nos permitirá treinar mais gente com consultorias e aulas de negócios online”, disse Walter Faria, CEO do Grupo Martins, em entrevista ao EXAME.com. “Queremos com as inovações, no mínimo, triplicar a quantidade de 10.000 pessoas já treinadas”.

Nesta terça, dia 5, a companhia coloca no ar a plataforma Flix do varejo, que reúne vídeos, séries educativas, inspiração e ferramentas de gestão para que supermercados, açougues, padarias, farmácias, petshops, restaurantes e tantos outros pontos de vendas possam aprender mais sobre como administrar seus negócios.

A companhia investiu 3 milhões de reais na ideia, desenvolvida há um ano, e a motivação para tanto é simples, conta Faria.

“O futuro promissor dele (do pequeno e médio varejista) é o nosso”, disse o CEO. “Na crise, eles precisam de mais eficiência e queremos que eles entendam como podem fazer isso”.

Alguns conteúdos foram feitos com parceiros, como Facebook, MercadoLivre e Vagas.com, e todos são baseados em dúvidas de gestão apontadas por uma pesquisa prévia.

Um deles, por exemplo, fala de como selecionar e manter funcionários. Outro, trata de um tema crucial para o setor: desperdício de itens. “Um fator que pode representar até 3% de perda mensal para o negócio”, diz Walter.

Gestão de portfólio, que aborda quais itens são mais rentáveis ou não para cada a loja, é outro assunto abordado, bem como a disposição de produtos nas gôndolas.

“São temas de altíssima importância em uma época de recessão econômica, em que é preciso o empresário fazer mais e melhor com as ferramentas que possui”, afirma.

Melhorias em outras frentes também estão sendo colocadas em prática, direcionadas aos 120.000 clientes pequenos e médios varejos atendidos pela Martins com maior frequência.

O suporte online não vai extinguir os workshops presenciais feitos uma vez por mês pela companhia. Esses seguem sendo promovidos pela Universidade corporativa, ainda que exija disposição de tempo e recursos dos varejos interessados.

“Mas há uma carência grande de informação para o setor, tanto que fizemos recentemente um evento em João Pessoa (PB) para 500 varejistas e 800 estavam presentes”, conta.

Distribuição de crédito

Para fazer a distribuição de milhares de itens de centenas de fornecedores diferentes, para lugares tão longínquos do país, a logística, claro, é o negócio crucial da Martins.

A companhia conta com 1.100 caminhões e 5.300 funcionários para a missão de planejar, estocar e abastecer todos os clientes. Além da fidelização por meio dos treinamentos e consultoria para muitos deles, há ainda a oferta de crédito, por meio do banco da empresa.

Criado em 1990, o Tribanco é focado no setor de varejo e atende, em especial, os pequenos e médios varejistas que não conseguem, muitas vezes, serem atendidos por grandes bancos, por terem questões pontuais e de pequeno porte, comparadas aos varejistas maiores.

“Os bancos não fazem emissão de cartões de crédito para menos de 100.000 unidades, o Tribanco faz para 300”, explica Martins.

Para o banco, a vantagem é ofertar serviços financeiros junto a um pacote de benefícios, que vai de negociação a concessão de crédito. Para o lojista de bairro, o acesso a um cartão de crédito de bandeira própria significa um risco menor de inadimplência, com o fim de nomes anotados em cadernetas.

“Nós ajudamos nossos clientes a se desenvolverem e ganhamos com isso, vendendo mais e tendo um setor mais profissionalizado e melhor”, disse. “É bom para todos”.

A seguir, alguns dos vídeos da plataforma Flix do Varejo, que será lançada hoje.

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=QuORt3L-u1c%5D

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=Qrn27RHb__4%5D

Últimas Notícias

Ver mais
Startup liderada por ex-Tesla recebe US$ 31 milhões para desenvolver alternativas ao ChatGPT
Inteligência Artificial

Startup liderada por ex-Tesla recebe US$ 31 milhões para desenvolver alternativas ao ChatGPT

Há 7 horas

Receita estende até 12 de abril prazo para empresas aderirem ao piloto do 'Confia'
seloMinhas Finanças

Receita estende até 12 de abril prazo para empresas aderirem ao piloto do 'Confia'

Há 4 dias

Nunca sai de moda: vendas diretas da Levi's crescem e ações sobem 7%
seloMercados

Nunca sai de moda: vendas diretas da Levi's crescem e ações sobem 7%

Há 5 dias

Grupo Boticário cresce 30%, encosta na Natura e vai investir R$ 5 bi para crescer
Exame IN

Grupo Boticário cresce 30%, encosta na Natura e vai investir R$ 5 bi para crescer

Há 6 dias

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais