Negócios

Com aumento de custos, Scania reajusta preços em 3%

No mesmo anúncio, a empresa informou que realizará novo reajuste em janeiro do ano que vem, este de 7,0%


	Scania: o presidente da empresa no Brasil também atribuiu a decisão a uma necessidade de enfrentar a elevação dos custos e conseguir manter o plano de investimentos
 (Sean Gallup/Getty Images)

Scania: o presidente da empresa no Brasil também atribuiu a decisão a uma necessidade de enfrentar a elevação dos custos e conseguir manter o plano de investimentos (Sean Gallup/Getty Images)

DR

Da Redação

Publicado em 26 de outubro de 2015 às 12h27.

São Paulo - A montadora de caminhões e ônibus Scania anunciou nesta segunda-feira, 26, que aumentou em 3,0% os preços de todos os seus modelos, como consequência da inflação e da desvalorização cambial, que elevaram os custos da empresa.

No mesmo anúncio, a empresa informou que realizará novo reajuste em janeiro do ano que vem, este de 7,0%.

O movimento ocorre uma semana após a MAN, outra montadora de caminhões e ônibus, ter dito que planeja adotar aumentos de 2,0% em novembro e de 5,5% em janeiro.

Na ocasião, o presidente da empresa no Brasil, Roberto Cortes, também atribuiu a decisão a uma necessidade de enfrentar a elevação dos custos e conseguir manter o plano de investimentos, de R$ 1 bilhão até 2017.

No início deste mês, a Mercedes-Benz anunciou reajuste de 5% nos preços e, há duas semanas, o presidente da montadora alemã no Brasil, Phillipp Schiemer, disse que será obrigado a realizar novos aumentos caso o dólar continue se valorização em relação ao real.

Acompanhe tudo sobre:EmpresasEmpresas alemãsInflaçãoPreçosScania

Mais de Negócios

A malharia gaúcha que está produzindo 1.000 cobertores por semana — todos para doar

Com novas taxas nos EUA e na mira da União Europeia, montadoras chinesas apostam no Brasil

De funcionária fabril, ela construiu um império de US$ 7,1 bilhões com telas de celular para a Apple

Os motivos que levaram a Polishop a pedir recuperação judicial com dívidas de R$ 352 milhões

Mais na Exame