Negócios

Citi, Deutsche Bank e HSBC pagarão US$132 mi para saldar litígio

O pagamento colocará a uma demanda coletiva por manipulação da taxa interbancária Libor

Citigroup: lucro por ação acima do consenso de analistas (Mario Tama/AFP/AFP)

Citigroup: lucro por ação acima do consenso de analistas (Mario Tama/AFP/AFP)

A

AFP

Publicado em 13 de outubro de 2017 às 10h16.

O banco americano Citi, o alemão Deutsche Bank e o britânico HSBC concordaram em pagar um total de 132 milhões de dólares para pôr fim a uma demanda coletiva por manipulação da taxa interbancária Libor, segundo um documento judicial consultado nesta quinta-feira.

Introduzido na quarta-feira em uma corte de Nova York, este acordo ainda deve ser validado pelo juiz que cuida do caso.

A ação coletiva, dirigida pela companhia Metzler Asset Management, inclui as pessoas que negociaram produtos financeiros com a taxa de câmbio entre o euro e o dólar entre 2003 e 2011, em particular na Bolsa de Valores de Chicago. Foi introduzida em 2011 por investidores que se sentiram prejudicados pelas manipulações da taxa Libor.

Neste último acordo, o Citi aceitou pagar 33,4 milhões de dólares, o Deutsche Bank 80 milhões e o HSBC 18,5.

A Libor, taxa interbancária londrina, foi por muito tempo uma referência no mundo financeiro, e abarca uma grande quantidade de produtos, incluindo empréstimos imobiliários e às empresas.

Várias manipulações nos últimos anos mancharam sua reputação, e o regulador britânico dos mercados já anunciou em julho sua eliminação para o final de 2021.

Quando as manipulações ocorreram, essa taxa era estabelecida diariamente por 16 dos maiores bancos do mundo de maneira consensual e era utilizada, sobretudo, para determinar os juros cobrados nos empréstimos de dinheiro entre eles.

A partir das denúncias de manipulação, o método para calcular a Libor foi mudado.

Acompanhe tudo sobre:CitibankDeutsche BankHSBC

Mais de Negócios

Previsão é que produção de calçados esteja normalizada no RS até fim de junho

Novo CEO do iFood: o crescimento não virá de novos negócios, mas do aumento da frequência

Para além do marombeiro: rede de academias do Nordeste faz R$ 300 milhões "brigando contra o sofá"

Problemas complexos estão travando a sua empresa? Veja 5 dicas para gerenciá-los

Mais na Exame