Negócios

Companhias aéreas dos EUA devem divulgar fortes resultados

Empresas devem começar a divulgar resultados fortes para o terceiro trimestre por conta da redução de custos com combustíveis


	Jato da American Airlines decola atrás de dois aviões da US Airways no Aeroporto Nacional Ronald Reagan, em Arlington
 (Win McNamee/Getty Images)

Jato da American Airlines decola atrás de dois aviões da US Airways no Aeroporto Nacional Ronald Reagan, em Arlington (Win McNamee/Getty Images)

DR

Da Redação

Publicado em 15 de outubro de 2014 às 16h13.

As companhias aéreas dos Estados Unidos devem começar a divulgar resultados fortes para o terceiro trimestre, diante da redução de custos com combustíveis e apesar de recuo nas ações causado por preocupações sobre o impacto do vírus ebola na demanda por viagens.

Delta Air Lines abre a temporada de balanços do setor na quinta-feira com números que analistas esperam que venham melhores que os divulgados para o mesmo período de 2013. Mais cedo neste mês, a companhia projetou margem operacional trimestral de 15 a 16 por cento, excluindo eventos não recorrentes.

Porém, em vez de comemorar os resultados, investidores devem focar na possibilidade das perspectivas para o setor neste trimestre terem piorado por conta de renovada competição e preocupações macroeconômicas, como com o ebola.

As ações de Delta, American Airlines e United Airlines despecaram mais de 18 por cento em média no último mês por temor de que os consumidores reduzirão as viagens aéreas para reduzir as chances de contrair o vírus letal.

Analistas afirmam que estimativas positivas do setor aliadas à economia com combustível, por conta da queda nos preços do petróleo, podem reverter a tendência negativa sobre as ações do setor.

"As ações estão muito, muito fracas, mas não há razão para elas estarem assim", disse Helane Becker, analista da Cowen & Co. "Acreditamos que as estimativas para o quarto trimestre provavelmente serão de alta, não de baixa."

Na avaliação de analista do JPMorgan, quem comprar ações da American Airlines agora terá ganhos praticamente garantidos. O papel acumula desvalorização de 30 por cento nos últimos 30 pregões.

O preço do combustível de aviação, que representa 35 por cento dos custos operacionais das companhias aéreas dos EUA, caiu cerca de 12 por cento no último mês, para níveis não vistos desde 2010, segundo o analista Jamie Baker, do JPMorgan.

Acompanhe tudo sobre:American AirlinesAviaçãoBalançoscompanhias-aereasDelta Air LinesEmpresasEmpresas americanasEstados Unidos (EUA)gestao-de-negociosLucroPaíses ricosResultadoSetor de transporteUnited Airlines

Mais de Negócios

Sentimentos em dados: como a IA pode ajudar a entender e atender clientes?

Como formar líderes orientados ao propósito

Em Nova York, um musical que já faturou R$ 1 bilhão é a chave para retomada da Broadway

Empreendedor produz 2,5 mil garrafas de vinho por ano na cidade

Mais na Exame