“Cada um tem sua estratégia”, diz BB sobre Itaú com XP

Instituição acredita que o cenário financeiro está cada vez mais diversificado, em especial com o avanço da estratégia digital dos bancos

São Paulo – Na manhã de ontem, horas antes do Itaú confirmar a compra da XP Investimentos, o Banco do Brasil comentou sobre o avanço da plataforma independente de investimentos no país.

“Que fique claro que fomos o primeiro a ter uma plataforma aberta, inclusive para fundos mais massificados de varejo”, afirmou Paulo Rogério Caffarelli, presidente do Banco do Brasil.

De qualquer forma, a instituição acredita que o cenário financeiro está cada vez mais diversificado, em especial com o avanço da estratégia digital dos bancos.

“Já temos uma estratégia bem montada nesse sentido”, disse ele. “Cada um tem sua estratégia de mercado, mas estamos atentos a esses movimentos da concorrência”.

Há seis meses do início da maior reestruturação anunciada pelo banco em sua história, o BB já avançou em diversos pontos de seu plano de redução de custos e melhora de portfólio.

De janeiro a março, comparado ao mesmo período do ano anterior, a instituição cortou as despesas administrativas em 0,4% para 7,774 bilhões de reais.

Nos doze meses, o banco reduziu o número de funcionários de 109.864 para 99.964, fechou 551 agências e aumentou o número de autoatendimentos em 18%.

Na gestão de carteira, passou a direcionar esforços para ganhar a exclusividade de clientes, pessoas físicas e jurídicas, que tinham conta no BB, mas também em outros bancos.

Além disso, passou a dar atendimento diferenciado a empresas de faturamento entre 1 e 45 milhões de reais, por meio de agências especializadas.

“Mas nossa ideia não é focar nesse público e, sim, atender todos os tipos de clientes de forma distinta, de acordo com a necessidade de cada um”, explicou Caffarelli.

Efeito corte

A campanha de corte de custos do Banco do Brasil já surtiu efeitos nas despesas administrativas, além de reduzir as provisões para perdas com calotes, o que impactou positivamente os resultados do primeiro trimestre

No período, o banco apresentou um lucro ajustado de 2,5 bilhões de reais, alta de 95,6% ante mesma etapa de 2016.  Em termos líquidos, o resultado foi de 2,44 bilhões de reais, 3,6% acima do registrado um ano antes. 

O retorno anualizado sobre o patrimônio líquido foi de 10,4%, quase o dobro do registrado até março de 2016.

Porém, a retração no crédito contribuiu para um salto no índice de inadimplência. Nos três primeiros meses do ano, o índice de atrasos superiores a 90 dias atingiu 3,89%, um salto em relação aos 2,59% de um ano antes.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.