Cacau Show: loja física é essencial para boa experiência na compra online

Executivo da Cacau Show conta a estratégia multicanal que se consolidou na pandemia da covid-19
 (Cacau Show/Divulgação)
(Cacau Show/Divulgação)
M
Marina FilippePublicado em 06/07/2021 às 06:30.

A multicanalidade é tendência no varejo nos últimos anos. Fazê-la de forma eficiente, contudo, ainda é desafio para grande parte das empresas. Um modelo que vem se provando eficiente é da marca de chocolates Cacau Show.

Inovação abre um mundo de oportunidades para empresas dos mais variados setores. Veja como, no curso Inovação na Prática 

Um dos primeiros passos nessa jornada se deu em 2015 com a retomada da venda direta, modelo no qual a companhia começou em 1988. Com a reconsolidação da venda direta, a Cacau Show percebeu a oportunidade de promover novidades como o lançamento do site próprio e a presença no iFood.

"O grande ponto chave é que, com os diversos canais de venda, conseguimos disponibilizar diferentes formas do franqueado chegar ao consumidor final", diz Daniel Roque, diretor de canais e expansão.

De acordo com o executivo, a oportunidade avaliada era a entrega de produtos em outros canais que não a loja. Pensando nisto, os primeiros anos foram de lançamentos de modalidades e avaliação de resultados. Já em outubro de 2019 a multicanalidade se potencializou quando o site próprio passou a ser uma espécie de marketplace das lojas próprias e franqueadas.

Com a chegada da pandemia, a importância da multicanalidade e das vendas digitais foi ainda mais clara. Assim a companhia investiu em treinamento online para o lojista, sistema de pagamento que permite enviar o dinheiro para a loja da compra de forma mais prática, além da centralização do call center e do parceiro de entrega. Das 2.500 franquias, além de 250 lojas próprias, cerca de 2.000 conseguem atender os clientes que compram online. Até outubro deste ano todas já devem possuir o modelo.

"As lojas passam a ter um papel tático e funcionam como hub que concentram vendas e entregas dos clientes que compram online. E pensar no modelo antes mesmo da pandemia foi essencial para colher bons resultados também neste período", diz Roque.

A vendas nos canais digitais saltaram de 0.3% do total em 2019, para 6% em 2020. Para este ano a projeção é de ao menos 15%, sendo que no primeiro trimestre tais canais representaram 26% do volume de vendas da Cacau Show. "Esperávamos ter este resultado em 2024, mas a operação foi bastante acelerada".

A digitalização além de ser uma jornada em constante evolução exige também um investimento financeiro sólido. Entre 2020 e 2021 foram investidos mais de 4 milhões de reais em ferramentas e equipamentos, com previsão de investimento de mais 1 milhão de reais até o fim de 2022. "O valor investido é otimizado, sendo direcionado às necessidades do negócio de modo a atender os consumidores nos seus canais preferidos".

A venda direta também continua e, atualmente, conta com mais de 45 mil revendedores ativos. O faturamento desse canal deve representar 10% neste, sendo que, na Páscoa, chegou a representar mais de 15%, e com picos de 20% das vendas em alguns dias.

"O negócio da Cacau Show volta a crescer e segue sendo democrático, agora também ao dar mais opções de compra. Estamos voltando aos patamares próximos de 2019 e com a força da multiplataforma projetamos ultrapassar nossa meta de faturamento do ano em 20%".