Negócios

Blockchain gera economia de até US$ 12 bi por ano a bancos

Tecnologia é um registo distribuído de transações e de dados, mantido por uma rede de computadores sem a necessidade de aprovação de uma autoridade central

Blockchain: tecnologia era originalmente usada para sustentar a moeda digital bitcoin (Reprodução)

Blockchain: tecnologia era originalmente usada para sustentar a moeda digital bitcoin (Reprodução)

R

Reuters

Publicado em 17 de janeiro de 2017 às 14h55.

Última atualização em 7 de abril de 2017 às 17h57.

Nova York - A tecnologia de blockchain pode ajudar os maiores bancos de investimento do mundo a cortar custos de infraestrutura de 8 bilhões a 12 bilhões de dólares por ano até 2025, segundo um relatório da Accenture.

O relatório publicado nesta terça-feira, em conjunto com a empresa de análise McLagan, baseia-se em dados de custos de oito dos dez maiores bancos de investimento do mundo e dá uma rara estimativa de ganhos concretos do blockchain.

Originalmente usado para sustentar a moeda digital bitcoin, o blockchain é um registo distribuído de transações e de outros dados, mantido por uma rede de computadores na Internet sem a necessidade de aprovação de uma autoridade central.

Como cria um banco de dado praticamente à prova de violação, a tecnologia elimina a necessidade de reconciliação e poderia ser um recurso útil para auditoria.

Bancos e outras instituições financeiras de grande porte têm acelerando esforços para desenvolver tecnologia baseada em blockchain para executar alguns processos de contabilidade mais onerosos, como compensação e liquidação de valores mobiliários.

Mas muitos expressaram ceticismo com o impacto que a tecnologia terá, argumentando que há bancos apostando no blockchain apenas como estratégia de publicidade.

David Treat, diretor de serviços financeiros da Accenture, disse que os investimentos significativos na tecnologia não surpreendem, dado o enorme custo de reconciliação de dados, que é parte de cada processo da indústria do mercado de capitais.

O relatório estima que, implantando uma tecnologia similar à do bitcoin para executar alguns processos, como relatórios de finanças, os oito bancos analisados poderiam reduzir custos de infraestrutura em 30 por cento em média, além de melhorar a qualidade de dados e transparência.

Os custos associados à conformidade e operações de negócios, como suporte a negócios e operações centralizadas, podem cair em até 50 por cento. As estimativas não incluem potenciais custos e investimentos necessários para implementar a tecnologia.

Embora veja a tecnologia com otimismo, o relatório diz que se obstáculos regulatórios limitarem a adoção do blockchain em larga escala, os bancos não teriam nenhum benefício.

Acompanhe tudo sobre:bancos-de-investimentoBlockchain

Mais de Negócios

Méliuz vira sócia de startup mineira para deixar o cliente cada vez mais fiél

Precavida Brasil quer expandir atuação no mercado nacional de precatórios

EXCLUSIVO: Suzano investe US$ 5 milhões em startup canadense que desenvolve hidrogel com eucalipto

Marqueteiro por trás dos copos Stanley retorna à Crocs

Mais na Exame