Após 5 anos, Apple volta a ser marca mais valiosa do mundo

Estratégia de diversificação capitaneada pelo presidente da companhia, Tim Cook, fez o valor da marca dar um salto de 87% em um ano, atingindo US$ 263,4 bilhões

Depois de cinco anos, a Apple voltou a ser a marca mais valiosa do mundo, superando outros gigantes da tecnologia, a Amazon e o Google, de acordo com o relatório Brand Finance 2021, divulgado hoje. A estratégia de diversificação capitaneada pelo presidente da companhia, Tim Cook, fez o valor da marca dar um salto de 87% em um ano, atingindo 263,4 bilhões de dólares.

O relatório cita a forte aposta da fabricante do iPhone em serviços, com o crescimento de ofertas como Apple Music e Apple TV+, que vieram para inserir a marca ainda mais no cotidiano das pessoas. "A Apple mostra habilidade de se reinventar continuamente e consegue se diferenciar de outras fabricantes de equipamentos, o que contribuiu para a marca ser a primeira empresa dos Estados Unidos a atingir valor de mercado de 2 trilhões de dólares, em agosto de 2020", diz o relatório.

O retorno da Apple ao topo não significa que a Amazon, líder do ano anterior, tenha perdido terreno. Segundo o estudo, a empresa viu o valor de sua marca subir 15% ao longo do ano passado, para 254,2 bilhões de dólares. O levantamento lembra que a empresa foi beneficiada pela pandemia de covid-19, quando o uso do e-commerce cresceu em todo o mundo. A companhia, também presente em outros diversos segmentos, não tem medo de grandes investimentos: em 2020, comprou 11 aviões para agilizar suas entregas e melhorar a experiência do consumidor.

O "top 3" das marcas mais valiosas do mundo é completado pelo Google, que perdeu uma posição em relação ao ano passado. Apesar de dominar a internet em todo mundo, o buscador ficou quase no "zero a zero" no ano passado, com um avanço de 1% no valor de sua marca, para 191,2 bilhões de dólares. Na visão da Brand Finance, a companhia está "marginalmente atrás" dos concorrentes em termos de diversificação e, por causa da pandemia, reportou a primeira queda de receita de sua história.

Além de Apple, Amazon e Google, há uma forte presença de empresas de tecnologia entre as dez maiores marcas do mundo. As outras sete integrantes do "top 10" são: Microsoft, Samsung, Walmart, Facebook, ICBC, Verizon e WeChat. De todas essas companhias, apenas duas — a varejista Walmart e o banco chinês ICBC — não têm origem no setor.

Em grande parte dos setores, a Brand Finance notou que as empresas que mais ganham valor de marca — e, por conseguinte, presença na cabeça do consumidor — são as novas entrantes, que ajudaram a criar disrupção no "estado das coisas" de seu ramo de atividade.

Um exemplo claro é a fabricante de carros elétricos Tesla: a empresa de Elon Musk foi a que mais valorizou em todo o ranking, aponta a consultoria. Com alta de 158%, sua marca hoje vale 32 bilhões de dólares, quase a metade do total de gigantes como Mercedes-Benz e Toyota.

O mesmo ocorre no mundo do entretenimento, em que Netflix e Spotify, pioneiras nos setores de streaming de filmes e música, respectivamente, aparecem bem à frente das rivais. A Netflix teve novo pico de utilização e viu sua marca ficar 9% mais valiosa, atingindo 24,9 bilhões de dólares. Ainda é menos do que a Disney (que decaiu 9%, para 51,2 bilhões), mas muito mais que a rede NBC (baixa de 44%, para 8,4 bilhões). Já o Spotify entrou em 13 novos mercados e viu seu valor disparar 39% para 5,6 bilhões de dólares.

Outro segmento que apareceu com força foi o e-commerce — o que serviu para ampliar também o valor de algumas varejistas tradicionais. Isso ocorreu com o Walmart, que viu seu valor de marca subir 20%, graças a um grande salto em seu lucro no período da pandemia. Dentro dessa lógica, também houve valorização de varejistas como Target (+30%) e Cotsco (+28%).

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.