Amazon e Casino avaliam parceria ou venda da Via Varejo, diz fonte

Empresas anunciaram na véspera que a marca de supermercados francesa Monoprix venderia alimentos por meio da Amazon

Amazon e Casino: empresas estão em negociações para uma parceria no Brasil (Via Varejo/Divulgação)

Amazon e Casino: empresas estão em negociações para uma parceria no Brasil (Via Varejo/Divulgação)

R

Reuters

Publicado em 27 de março de 2018 às 10h19.

Última atualização em 27 de março de 2018 às 11h53.

São Paulo - A Amazon.com e grupo de varejo francês Casino Guichard Perrachon estão em negociações para um acordo no Brasil por meio de uma parceria ou com a venda da Via Varejo, disse uma fonte com conhecimento sobre o assunto na terça-feira.

As negociações sobre a rede Via Varejo, do Casino, que inclui uma das maiores operações de comércio eletrônico do país e mais de 900 lojas, aceleraria o processo de avanço da Amazon no maior mercado da América Latina.

O movimento vem após a gigante de comércio eletrônico e o Casino fecharem um acordo para vender mantimentos da rede francesa Monoprix, do Casino, por meio da Amazon.

O acordo no Brasil poderia ser estruturado como uma parceria no mesmo modelo ou com a venda da Via Varejo, disse a fonte.

As notícias das conversas impulsionavam as ações do Grupo Pão de Açúcar, que subiam 3,39 por cento, e as units da Via Varejo, que avançavam 3,41 por cento, às 11:37, liderando a ponta positiva do Ibovespa, que recuava 0,6 por cento.

GPA disse que o processo de venda da Via Varejo está em andamento e "não há nada material para divulgar neste momento". Via Varejo e Amazon no Brasil não comentaram o assunto.

O GPA colocou a Via Varejo à venda há dois anos, mas a empresa atraiu pouco interesse com sua infraestrutura então tradicional mantendo custos persistentemente altos e pesando nos lucros. Desde então, a empresa expandiu suas operações de comércio eletrônico.

A Amazon tem avançado lentamente no complexo e altamente competitivo mercado de varejo online brasileiro, começando com a venda de livros eletrônicos em 2012, acrescentando a oferta de livros físicos dois anos depois e oferecendo a venda de produtos de terceiros em outubro.

A Reuters informou recentemente que a maior varejista online do mundo está se preparando para avançar sua presença no Brasil, conversando com fornecedores locais de eletrônicos e de outros produtos e transferindo as operações logísticas no Brasil para um complexo de galpões no município de Cajamar.

 

 

Mais de Negócios

Cartão de crédito consignado: o que é, como funciona e quem pode contratar

O coworking que eles criaram na garagem de casa supera a pandemia, faz R$ 10 milhões e vai expandir

Grupo J&F anuncia investimento de R$ 25 bilhões e criação de 10 mil empregos no Brasil

Desenrola para empresas: veja perguntas e respostas sobre os novos programas para MEIs

Mais na Exame