Negócios

AES Tietê pede que Eneva amplie oferta para manter conversas, diz CFO

A Eneva divulgou em março oferta para fusão de seus ativos com os da AES Tietê, em transação que envolveria total de 6,6 bilhões de reais

AES: empresa rejeitou proposta da Eneva (Rodrigo Garrido/Reuters)

AES: empresa rejeitou proposta da Eneva (Rodrigo Garrido/Reuters)

R

Reuters

Publicado em 20 de abril de 2020 às 12h22.

A AES Tietê decidiu rejeitar oferta apresentada pela Eneva para combinação dos negócios das companhias, mas está disposta a continuar negociações se houver melhoria financeira e estrutural na proposta, disse à Reuters nesta segunda-feira a diretora financeira e de Relações com Investidores da empresa, Clarissa Della Nina.

A Eneva divulgou em 1° de março uma oferta hostil para fusão de seus ativos com os da AES Tietê, da norte-americana AES, em transação que envolveria total de 6,6 bilhões de reais, com pagamento de 2,75 bilhões de reais em dinheiro e o restante em ações.

"O conselho decidiu de forma unânime rejeitar. A gente fez um trabalho bastante longo e profundo para que se chegasse a essa conclusão. Tem a questão do preço, antes de mais nada. A oferta de troca de ações coloca a AES Tietê um valor muito abaixo do que a gente entende ser o valor correto da companhia", disse a diretora.

 

"O conselho tentou avaliar todas alternativas possíveis para continuar essa conversa. E, uma proposta 100% em dinheiro, que a gente chama 'com liquidez', num patamar de valor adequado para os ativos da AES Tietê, pode ser uma proposta que faça sentido para os acionistas", acrescentou a diretora.

"O conselho entendeu que valia a pena fazer esse tipo de provocação... nosso CEO encaminhou ontem uma carta para a Eneva, com o parecer do conselho, e convidando para uma reunião tão logo eles tenham interesse... justamente para continuar com essa conversa."

Acompanhe tudo sobre:AES TietêEnergia elétricaEnevaFusões e Aquisições

Mais de Negócios

Na peleia: mesmo com a enchente, gaúcha Docile mantém planos e abre sua primeira loja de doces em SP

Ela se demitiu aos 52 anos para empreender. Hoje é uma das mulheres mais ricas dos EUA

Brasil terá convênio com Alibaba para que pequenas empresas exportem para a China, diz França

21 franquias baratas para empreender em casal de qualquer lugar do mundo a partir de R$ 9,5 mil

Mais na Exame