Ações da Netflix voltam a cair, e acionistas começam a deixar a empresa

Após comprar US$ 1 bilhão em ações em janeiro, fundo do bilionário William Ackman vendeu fatia com prejuízo de US$ 435 milhões
Netflix perdeu assinantes pela primeira vez em dez anos (Getty Images/Rafael Henrique/SOPA Images/LightRocket)
Netflix perdeu assinantes pela primeira vez em dez anos (Getty Images/Rafael Henrique/SOPA Images/LightRocket)
Por Agência O GloboPublicado em 21/04/2022 13:49 | Última atualização em 21/04/2022 13:49Tempo de Leitura: 3 min de leitura

Um dia após anunciar a perda de 200 mil assinantes no primeiro trimestre deste ano, acionistas começam a deixar a empresa. O bilionário Bill Ackman se desfez de sua participação na Netflix, amargando um prejuízo de mais de US$ 430 milhões. Nesta quinta-feira, as ações da companhia voltaram a cair na Nasdaq, Bolsa de tecnologia de Nova York.

Por volta de 12h35 do horário de Brasília, os papéis (NFLX) apresentavam recuo de 4,80%, indo na contramão da Bolsa americana que subia 0,42%.

O fundo Pershing Square Capital Management, de Ackman, havia comprado US$ 1 billhão em ações da gigante de streaming em janeiro, mas vendeu sua fatia na Netflix após a companhia relatar a queda inesperada no número de assinantes e projetar um declínio ainda mais acentuado que o atual.

As ações da empresa caíram 35,12% na quarta, para US$ 226,19, na Bolsa de Nova York, tornando-se o pior desempenho no S&P 500 deste ano.

Em janeiro, o Pershing Square aproveitou que os papéis da Netflix tinham começado a cair devido a preocupações com sua base de assinantes para comprar mais de 3,1 milhões de ações.

Com isso, passou à lista dos 20 maiores acionistas da companhia de streaming, embora a fatia não chegasse a 1%.

Com base no preço das ações de antes de Ackman divulgar sua participação em 26 de janeiro, seu fundo perdeu cerca de US$ 435 milhões nesta quarta-feira. Um representante da Pershing Square se recusou a comentar sobre o tamanho da perda.

Igor Cavaca, head de gestão de recursos da Warren Investimentos, diz que a subida de juros ao redor do mundo impacta o setor de tecnologia, que costuma trabalhar alavancado. Como essas empresas tomam muita dívida para manter o crescimento, a alta das taxas faz com que o valor do negócio caia.

Para ele, o aumento da concorrência e a retomada da economia, com fim do isolamento social, podem indicar nova tendência de perda de assinantes nos próximos balanços:

— É um momento complicado para o setor de tecnologia. A gente viu a entrada e o fortalecimento de concorrentes, como Amazon, HBO, Disney Plus. Além disso, o streaming foi um entretenimento muito usado durante a pandemia. Agora, as pessoas não querem ficar mais em casa.

Ações atingiram pico em novembro

As ações da Netflix atingiram o pico em novembro, em meio à pandemia, mais que dobrando seu valor desde o início de 2020. Neste ano, elas já acumulam perda de 62%.

A queda supera em muito o declínio de 13% do índice Nasdaq 100, que reúne empresas de tecnologia, no período. Entre as empresas que compõem o índice, a Netflix tem o terceiro pior desempenho do ano.

Ao comprar as ações depois que elas começaram a cair, Ackman disse em janeiro, em uma carta aos acionistas, que “a oportunidade de adquirir a Netflix com uma avaliação atraente surgiu quando os investidores reagiram negativamente ao crescimento de assinantes do último trimestre e às orientações de curto prazo da administração”.

Em sua carta aos acionistas na quarta-feira, Ackman disse que aprendeu com os erros do passado a sair logo das apostas ruins. E acrescentou que vai redistribuir o dinheiro da venda da participação da Netflix em outras oportunidades.