Acompanhe:

Um juiz do Haiti indiciou 51 pessoas por seus papéis no assassinato do presidente do país, Jovenel Moïse, em 2021. Entre os acusados de serem cúmplices do crime, está sua esposa, Martine Moïse, que foi gravemente ferida no ataque. O documento foi obtido pelo jornal Washington Post.

Jovenel Moïse, de 53 anos, foi morto na madrugada de 7 de julho de 2021, quando uma equipe contratada por uma empresa de segurança de Miami invadiu sua casa em um subúrbio da capital haitiana, Port-au-Prince, de acordo com a investigação.

O presidente e sua esposa foram baleados depois que os atiradores entraram no quarto do casal e vasculharam a casa, aparentemente em busca de documentos e dinheiro.

Em declarações após o assassinato, a Sra. Moïse disse que se escondeu embaixo da cama do casal para se proteger dos atacantes, de acordo com o indiciamento obtido pelo AyiboPost, um site de notícias do Haiti.

No entanto, o indiciamento diz que o vão entre a cama e o chão era muito estreito, de 14 a 18 polegadas, e o depoimento da viúva foi questionado.

A acusação contra a viúva do Sr. Moïse também se baseia no testemunho de uma testemunha-chave, Joseph Badio, ex-funcionário do Ministério da Justiça que é acusado de ser um dos organizadores do assassinato. O Sr. Badio foi preso em outubro passado depois de passar dois anos escondido.

De acordo com o indiciamento, o Sr. Badio disse que a Sra. Moïse estava tramando com outros, incluindo Claude Joseph, que era o primeiro-ministro na época do assassinato, para se livrar de seu marido "e monopolizar o poder".

O advogado da ex-primeira-dama já havia negado anteriormente a participação dela no crime. "Ela foi uma vítima, assim como seus filhos que estavam lá, e seu marido", disse ele ao jornal The New York Times. A localização atual de Martine Moise é desconhecida.

Dúvidas

O indiciamento, no entanto, não explica o motivo do crime nem como foi financiado. Alguns críticos acreditam que o indiciamento no Haiti está manchado pela política, e acusam o governo do primeiro-ministro Ariel Henry de usar a investigação para atacar seus críticos, incluindo a Sra. Moïse e o Sr. Joseph.

Já uma investigação separada nos Estados Unidos em Miami resultou em acusações contra 11 homens acusados de conspirarem para matar o Sr. Moïse. Seis deles se declararam culpados, enquanto os outros cinco vão a julgamento em maio. 

Atualmente, o Haiti não tem presidente ou funcionários nacionais eleitos e está mergulhado em uma crise de violência com gangues. O documento pode aumentar ainda mais as tensões após uma série de protestos violentos recentes exigindo a renúncia do primeiro-ministro Henry.

Em comunicado, Jean-Junior Joseph, porta-voz de Henry, disse que o primeiro-ministro não tem "relação direta com o juiz instrutor, nem o controla".

"O juiz permanece livre para emitir sua ordem de acordo com a lei e sua consciência", acrescentou.

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Crise no Haiti: ONU diz que quase 100 mil pessoas fugiram de Porto Príncipe por violência de gangues
Mundo

Crise no Haiti: ONU diz que quase 100 mil pessoas fugiram de Porto Príncipe por violência de gangues

Há 9 horas

Caso Marielle: OAB quer rever inquéritos arquivados por delegados suspeitos de envolvimento
Brasil

Caso Marielle: OAB quer rever inquéritos arquivados por delegados suspeitos de envolvimento

Há um dia

CCJ da Câmara dá aval para prisão de Chiquinho Brazão no caso Marielle
Brasil

CCJ da Câmara dá aval para prisão de Chiquinho Brazão no caso Marielle

Há 2 dias

Pais de jovem que matou quatro colegas em escola nos EUA são condenados à prisão
Mundo

Pais de jovem que matou quatro colegas em escola nos EUA são condenados à prisão

Há 2 dias

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais