Mundo

Vídeo da Nasa mostra febre da Terra até 2100

Para quem procura um resumo visual das previsões do novo relatório do IPCC, o painel de experts em clima da ONU, a Nasa fez um vídeo que mostra "febre" do mundo


	Mudanças: quanto mais vermelho, mais forte o calor; marcações azuis são padrões de chuva
 (Captura de Tela/Youtube)

Mudanças: quanto mais vermelho, mais forte o calor; marcações azuis são padrões de chuva (Captura de Tela/Youtube)

Vanessa Barbosa

Vanessa Barbosa

Publicado em 28 de março de 2014 às 19h36.

São Paulo - Degelo no Oceano Ártico, altas acentuadas de temperatura, chuvas carregadas no continente africano, mares cada vez mais quentes...A lista de fenômenos extremos que o futuro nos reserva é grande, segundo mostrou o novo relatório do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC).

Para quem procura um resumo visual das previsões do IPCC, o painel de experts em clima da ONU, a agência espacial americana (Nasa) fez um vídeo que mostra o clima em "febre" até 2100. Mantendo os atuais padrões de emissões de gases efeito estufa, é esperado um aumento de até 4,8 graus Celsius na temperatura do Planeta até o final do século.

Um narrador explica o que as cores ondulantes implicam para as gerações futuras: quanto mais escuro o vermelho, mais forte será o calor; já as marcações azuis representam o deslocamento e a intensificação dos padrões de chuva.

As maiores mudanças na temperatura são esperadas para ocorrer no hemisfério norte, e áreas como o norte do Canadá poderão experimentar alguns dos primeiros efeitos da tendência de aquecimento, diz o narrador da Nasa. Com o derretimento da neve na região do Ártico, menos luz será refletida para fora da superfície da Terra, o que pode intensificar o aquecimento.

É esperado que a precipitação aumente em algumas regiões do mundo e diminua em outras. Em geral, as regiões secas podem se tornar ainda mais secas e regiões úmidas podem se tornar ainda mais húmidas.

Os dados apresentados no vídeo da NASA foram projetadas usando os mesmos modelos climáticos que foram destaque no relatório de avaliação do IPCC 5. No entanto, a linha de base para a análise utilizado na representação visual da NASA variou de 1971 a 2000, enquanto que a linha de base para a análise do relatório do IPCC variou de 1986 a 2005. Por isso, as projeções de dados climáticos para os dois projetos são ligeiramente diferentes, embora as tendências descritas são praticamente as mesmas.

//www.youtube.com/embed/d-nI8MByIL8

Acompanhe tudo sobre:Aquecimento globalCalorChuvasClimaIPCCNasa

Mais de Mundo

Ações da CrowdStrike despencam 18%, com apagão cibernético; CEO diz que falha está 'sendo corrigida'

Apagão cibernético já gerou cancelamento de quase 1.400 mil voos pelo mundo; veja situação por país

António Guterres se diz "decepcionado" após Parlamento de Israel votar contra Estado palestino

Parlamento de Israel votou contra criação de Estado palestino por considerar 'ameaça existencial'

Mais na Exame