Acompanhe:

Veículos passarão a ter selo de eficiência energética

O uso do selo será obrigatório num prazo de 12 meses; Inmetro e Ibama já fizeram os testes de eficiência energética

Modo escuro

Continua após a publicidade
Hoje o carro elétrico tem IPI mais elevado do que os veículos flex (Getty Images)

Hoje o carro elétrico tem IPI mais elevado do que os veículos flex (Getty Images)

D
Da Redação

Publicado em 5 de novembro de 2013 às, 18h19.

São Paulo - O secretário executivo do Ministério da Fazenda, Nelson Barbosa, antecipou que o governo exigirá da indústria automobilística a utilização de um selo de eficiência energética, a exemplo do que já ocorre com aparelhos eletrodomésticos como geladeira e freezers. O uso do selo será obrigatório num prazo de 12 meses, mas ele não informou a data que a medida entrará em vigor.

Em seminário em Brasília sobre tecnologia de carros elétricos, Barbosa afirmou que o governo está negociando com a indústria o uso do selo e que o Inmetro e o Ibama já fizeram os testes de eficiência energética. Segundo ele, esse é um processo que está avançado. Mas Barbosa salientou que o governo não adotará uma tributação diferenciada do IPI para os veículos que tiverem melhor eficiência enérgica. "É para informação do consumidor", destacou.

De acordo com Barbosa, uma mudança simples e rápida do IPI para os veículos com melhor eficiência energética beneficiaria neste momento apenas a produção importada. E o interesse do governo, destacou ele, é estimular o desenvolvimento de tecnologia e a produção no Brasil.

Ele destacou também que o governo, nessa política de estímulo a tecnologias de maior eficiência energética, vai garantir incentivos fiscais e financeiros para o desenvolvimento de tecnologias automotivas. Não somente para carros elétricos como também para veículos flex.

O secretário executivo ressaltou que desde o ano passado o governo discute com a indústria, em um grupo de trabalho, essa política de incentivo à maior eficiência energética. Essa discussão surgiu com os incentivos fiscais concedidos durante a crise financeira internacional, que permitiu a redução do IPI para produtos da linha branca com melhor eficiência energética.

Hoje o carro elétrico tem IPI mais elevado do que os veículos flex. Enquanto os flex têm alíquotas de 7%, 11% e 18%, os elétricos possuem alíquota de 25%.

Para Barbosa, não é interesse do governo fazer uma redução da alíquota para veículos elétricos porque incentivaria apenas a importação de produtos. Ele disse que "essa discussão sobre veículos híbridos abre uma janela de oportunidades tecnológicas e o Brasil, como um grande mercado, não pode se dar ao luxo de ficar fora dessas mudanças tecnológicas".

Últimas Notícias

Ver mais
Apple desiste de fabricar carros elétricos após 10 anos de pesquisa
Tecnologia

Apple desiste de fabricar carros elétricos após 10 anos de pesquisa

Há 7 horas

Como os carros voadores podem ser na vida real? Veja vídeo
Tecnologia

Como os carros voadores podem ser na vida real? Veja vídeo

Há 7 horas

Empresa chinesa diz que pode transformar carro elétrico em cinema
Tecnologia

Empresa chinesa diz que pode transformar carro elétrico em cinema

Há 2 dias

General Motors lança SUV elétrico Cadillac Lyriq na Europa em aposta no mercado de luxo
Casual

General Motors lança SUV elétrico Cadillac Lyriq na Europa em aposta no mercado de luxo

Há 2 dias

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais