Mundo

Universidade de Columbia começa a suspender alunos de acampamento pró-Palestina

Ocupação provocou protestos semelhantes em outras universidades dos EUA

Não ficou claro como serão aplicadas as suspensões aos ativistas (Michael M. Santiago/Getty Images/AFP)

Não ficou claro como serão aplicadas as suspensões aos ativistas (Michael M. Santiago/Getty Images/AFP)

Da Redação
Da Redação

Redação Exame

Publicado em 30 de abril de 2024 às 06h59.

A Universidade de Columbia começou a suspender alunos de um acampamento pró-Palestina que permaneceram além do último prazo combinado no campus, num momento em que aumenta a pressão sobre o presidente da escola.

Segundo o The Wall Street Journal, a universidade de Nova York pediu aos estudantes que dissolvessem voluntariamente o acampamento até a tarde desta segunda-feira ou eles seriam suspensos e não teriam permissão para terminar o semestre. Com muitas tendas ainda instaladas várias horas após o prazo final dado pela reitoria, a Universidade de Columbia disse que começaria a suspender alguns manifestantes e novamente pediu aos manifestantes que saíssem.

“Não seremos movidos a não ser pela força”, disse Sueda Polat, estudante de pós-graduação em Columbia e organizadora do acampamento.

Não ficou claro como os alunos tomariam conhecimento das suas suspensões, que deverão impedir o seu acesso aos edifícios e comodidades escolares e, potencialmente, impedi-los de fazer as provas finais.

O acampamento, agora em sua terceira semana, provocou protestos semelhantes em campi universitários de todo o país. Muitos estudantes judeus disseram que se sentem inseguros em meio ao crescente anti-semitismo no ambiente universitário. Os manifestantes pró-Palestina dizem que seus atos são pacíficos.

Dezenas de ex-alunos e filantropos de peso de Columbia, incluindo um ex-presidente do conselho de administração, criticaram na segunda-feira o presidente da universidade, Minouche Shafik, por não controlar os protestos no campus e permitir a proliferação de mensagens anti-semitas.

“A abordagem atual [de usar agentes para desmantelar os acampamentos] não está funcionando”, dizia a carta. Na tarde de segunda-feira, o documento já havia conseguido mais de 100 assinaturas..

Acompanhe tudo sobre:PalestinaIsraelProtestosColumbia

Mais de Mundo

EUA anuncia que vai priorizar entregas de sistemas de defesa aérea Patriot para a Ucrânia

Putin ganha cães de Kim Jong-un durante visita à Coreia do Norte; veja fotos

Ozempic e Wegovy "acabam" com canetas de insulina na África do Sul; entenda

Investimento estrangeiro cai 10% no Brasil em 2023, aponta relatório da ONU

Mais na Exame