Último ditador da Europa é ameaçado por multidão na rua; veja vídeos

População desconfia de resultado das eleições e se revolta contra a má gestão da crise do coronavírus; governo disse que há vodca para combater covid-19
Dezenas de milhares de pessoas se reúnem nas ruas de Minsk, capital da Bielorrússia, para protestar contra a ditadura (Vasily Fedosenko/Reuters)
Dezenas de milhares de pessoas se reúnem nas ruas de Minsk, capital da Bielorrússia, para protestar contra a ditadura (Vasily Fedosenko/Reuters)
Carla Aranha
Carla Aranha

Publicado em 10/08/2020 às 18:52.

Última atualização em 10/08/2020 às 20:56.

O clima na Bielorrússia, governada pelo ditador Alexander Lukashenko há 26 anos, segue cada vez mais tenso. Nesta segunda, 10, a polícia bloqueou o centro de Minsk, a capital, e as forças armas estão revistando as pessoas que transitam pelas ruas da cidade. Mesmo assim, os protestos continuam. Há milhares de pessoas nas ruas.

Os manifestantes refutam o resultado das eleições presidenciais de domingo, 9 – Lukashenko afirma que teve uma vitória esmagadora, a despeito do grande apoio popular de sua principal oponente, a professora Svetlana Tikhanovskaya, de 36 anos.

Neste domingo, 9, 60.000 pessoas saíram às ruas em mais de 30 cidades do país para protestar contra a autodeclarada vitória de Lukashenko, que governa o país desde 1994. A contagem de votos não pôde ser verificada.

Cerca de 3.000 manifestantes foram presos no domingo. Há relatos de que pelo menos uma pessoa morreu. Milhares de policiais, tanques de guerra e tropas do exército foram enviadas para a capital, Minsk, para reprimir os protestos.

As mídias sociais foram bloqueadas durante o dia e o acesso à internet se tornou mais precário desde domingo, como parte da estratégia do governo de abafar as críticas e os protestos, além de limitar a comunicação da população local com o mundo exterior.

Os bielorrussos dizem que têm diversos motivos para se revoltarem. Além da suspeita de fraude nas eleições, há um descontentamento geral com o modo como o governo vem conduzindo a crise do coronavírus. Lukashenko aconselhou a população a tomar vodca, ir para o interior e dirigir tratores para escapar da doença. A Bielorrússia registra 68.000 casos da covid-19, bem mais do que a vizinha Polônia, que tem o quadruplo de habitantes.

Na Bielorrússia, uma ex-república soviética, desafiar o presidente é um ato de coragem. O ex-banqueiro Viktor Babaryko, o oponente mais forte de Lukashenko na campanha presidencial, foi preso em junho acusado de “fraude”. Outra opositora, Maria Kolesnikova, foi presa no sábado.

A candidata da oposição que sobrou, a professora Svetlana Tikhanovskaya, rejeitou os resultados oficiais da votação de domingo e exigiu que o presidente Alexander Lukashenko ceda o poder no país. “As autoridades devem refletir sobre como transferir o poder. Me considero vencedora da eleição”, afirmou Tikhanovskaya, que contava com amplo apoio popular. Ela entrou na campanha porque seu marido, um conhecido blogueiro crítico ao governo, também foi preso.