Mundo

UE divulga plano para eliminar dependência do gás da Rússia antes de 2030

O plano também delineia uma série de medidas para responder ao avanço recente nos preços de energia na Europa e para repor estoques de gás para o próximo inverno local

Nord stream, gasoduto da Gazprom na Rússia. (Gazprom/Divulgação)

Nord stream, gasoduto da Gazprom na Rússia. (Gazprom/Divulgação)

EC

Estadão Conteúdo

Publicado em 8 de março de 2022 às 13h00.

Última atualização em 8 de março de 2022 às 13h07.

A Comissão Europeia propôs nesta terça-feira, 8, um plano para tornar a Europa independente dos combustíveis fósseis da Rússia "bem antes" de 2030, segundo comunicado. A ideia é começar esse processo pelo gás, diante da invasão da Rússia à Ucrânia, diz o texto.

O plano também delineia uma série de medidas para responder ao avanço recente nos preços de energia na Europa e para repor estoques de gás para o próximo inverno local. "A Europa tem enfrentado crescentes preços de energia há vários meses, mas agora a incerteza sobre a oferta exacerba o problema", nota a União Europeia.

O programa "REPowerEU" busca diversificar as ofertas de gás, acelerar o uso de gases renováveis e substituir o gás no aquecimento e na geração de energia. "Isso pode reduzir a demanda da UE por gás russo em dois terços antes do fim do ano", acredita o bloco.

No comunicado, a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, exorta a UE a se tornar independente do petróleo, do carvão e do gás da Rússia. "Nós simplesmente não podemos confiar em um fornecedor que explicitamente nos ameaça", disse ela, pedindo diversificação e uma troca mais rápida para energia renovável e hidrogênio, combinada com maior eficiência energética.

A UE diz também que estará em contato com os países-membros, a fim de auxiliar empresas afetadas pela crise de energia, sobretudo as que enfrentam os altos custos de energia. A Comissão Europeia planeja apresentar uma proposta legislativa para que o estoque de gás subterrâneo da UE seja preenchido em pelo menos 90% de sua capacidade até 1º de outubro de cada ano. Também serão avaliadas medidas de emergência para limitar o efeito de contágio dos preços do gás nos de eletricidade, "como limites temporários aos preços", segundo o bloco.

Assine a EXAME e fique por dentro das principais notícias que afetam o seu bolso. Tudo por menos de R$ 0,37/dia.

Acompanhe tudo sobre:CombustíveisEuropaGásRússiaUnião Europeia

Mais de Mundo

Coreia do Sul retoma propaganda com alto-falantes após receber mais balões com lixo do Norte

Direita tem resultado histórico na Europa, mas partidos de centro devem manter maioria no parlamento

Ministro da Guerra de Israel renuncia por falta de plano para fim do conflito em Gaza

Ultradireita avança na Bélgica, mas sem destronar conservadores nas eleições nacionais e regionais

Mais na Exame