Mundo

Turquia, Rússia e Irã realizarão cúpula sobre Síria em 7 de setembro

Os três chefes de Estado vão se reunir na capital iraniana para discutir a ofensiva do regime sírio em um dos últimos redutos da oposição armada

Turquia: Erdogan, Putin e Rohani vão discutir o processo de Astana, que busca soluções para a guerra na Síria (Murat Cetinmuhurdar/Presidential Palace/Reuters)

Turquia: Erdogan, Putin e Rohani vão discutir o processo de Astana, que busca soluções para a guerra na Síria (Murat Cetinmuhurdar/Presidential Palace/Reuters)

E

EFE

Publicado em 27 de agosto de 2018 às 11h53.

Última atualização em 27 de agosto de 2018 às 11h55.

Istambul - Os chefes de Estado de Turquia, Rússia e Irã realização no próximo dia 7 de setembro uma cúpula em Teerã para analisar a situação da guerra na Síria, segundo anunciou nesta segunda-feira a Presidência da Turquia.

Recep Tayyip Erdogan se reunirá com os líderes de Irã, Hassan Rohani, e Rússia, Vladimir Putin, para continuar com o chamado processo de Astana, no qual os três países estão envolvidos para conseguir uma solução negociada para o conflito na Síria.

Erdogan propôs em julho que esses três países, além de Alemanha e França, realizassem exatamente no dia 7 de setembro uma cúpula em Istambul. No entanto, a Presidência da Turquia não deu detalhes sobre essa mudança de planos e só confirmou a cúpula em Teerã.

Um dos assuntos que serão tratados na capital iraniana é a anunciada ofensiva do regime sírio, apoiado pela Rússia, contra a província de Idlib, um dos últimos redutos da oposição armada ao presidente Bashar al Assad.

Moscou e Teerã apoiam Assad, enquanto Ancara apoia alguns grupos contra o regime.

Os ministros de Relações Exteriores de Rússia e Turquia se reuniram em duas ocasiões neste mês para discutir a situação em Idlib, a última delas na sexta-feira passada.

Embora a Turquia reconheça que é preciso acabar com os grupos "radicais", também advertiu que é imprescindível diferenciar entre a população civil e os combatentes para evitar uma "catástrofe humanitária".

A Rússia, por sua vez, reivindica o direito do exército sírio de acabar com os "terroristas", em alusão ao grupo armado Frente al Nusra, entre outros.

Acompanhe tudo sobre:Bashar al-AssadGuerra na SíriaHassan RohaniIrã - PaísRússiaSíriaTayyip ErdoganTurquiaVladimir Putin

Mais de Mundo

Alemanha alerta risco de ataques terroristas semelhantes ao de Moscou

Sob críticas da Otan, Putin desembarca na Coreia do Norte para estreitar parceria 'estratégica'

Milei perde apoio em 18 de 24 municípios da Grande Buenos Aires, mostra pesquisa

Rússia inicia exercício naval no Pacífico enquanto Putin visita a Coreia do Norte

Mais na Exame