Mundo

Trump promete revogar ordem de Biden sobre fechar fronteira com México

Em discurso público, aspirante à presidência dos EUA ameaçou impor tarifas aos países que não impedirem o fluxo de migrantes ilegais

ATLANTA, GEORGIA - APRIL 10: Former U.S. President Donald Trump speaks to the media as he arrives at the Atlanta Airport on April 10, 2024 in Atlanta, Georgia. Trump is visiting Atlanta for a campaign fundraising event he is hosting.   Megan Varner/Getty Images/AFP (Photo by Megan Varner / GETTY IMAGES NORTH AMERICA / Getty Images via AFP) (Getty Images via AFP))

ATLANTA, GEORGIA - APRIL 10: Former U.S. President Donald Trump speaks to the media as he arrives at the Atlanta Airport on April 10, 2024 in Atlanta, Georgia. Trump is visiting Atlanta for a campaign fundraising event he is hosting. Megan Varner/Getty Images/AFP (Photo by Megan Varner / GETTY IMAGES NORTH AMERICA / Getty Images via AFP) (Getty Images via AFP))

Publicado em 7 de junho de 2024 às 08h19.

Donald Trump disse que, caso retome a Casa Branca, reverterá a ordem anunciada pelo presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, de fechar a fronteira com o México se a entrada de migrantes irregulares por dia aumentar. O aspirante à candidatura republicana para as eleições presidenciais de novembro também ameaçou impor tarifas aos países que não impedirem o fluxo de migrantes que tentam chegar aos Estados Unidos.

"No primeiro dia da minha administração, rescindirei a escandalosa ordem executiva do pilantra Joe". As declarações aconteceram na quinta-feira, 6, em Phoenix, no estado do Arizona, durante seu primeiro ato de campanha após ser declarado culpado de cerca de trinta delitos penais por falsificação de registros contábeis para encobrir o pagamento realizado a uma ex-estrela pornô para comprar seu silêncio.

"Colocarei um fim a todas e cada uma das políticas de fronteiras abertas da administração Biden", acrescentou.

Trump afirmou que a ordem de seu rival é "pró-invasão, pró-tráfico de crianças... pró-narcotraficantes". O magnata imobiliário repete constantemente que os migrantes são responsáveis por boa parte dos crimes cometidos nos Estados Unidos, uma afirmação que não tem sustentação em dados oficiais ou acadêmicos.

Migração nos EUA

Segundo as últimas pesquisas, os estadunidenses consideram a migração um dos principais temas para decidir seu voto nas eleições presidenciais, nas quais Biden e Trump deverão buscar a reeleição.

O democrata, em uma tentativa de atrair votos daqueles que consideram sua posição branda nesse tema, emitiu nesta semana uma ordem executiva que fecha a entrada de migrantes irregulares quando ultrapassarem 2.500 solicitações de asilo em um dia, uma medida que se manterá até que esse número esteja abaixo de 1.500. A ordem também facilita a deportação de pessoas para o México.

Biden recebeu críticas de vários setores pela guinada em sua política migratória, amparada na mesma lei que Trump usou quando era presidente para proibir a entrada de cidadãos de países muçulmanos.

Trump adiantou que tomará medidas econômicas contra os países que não fizerem nada para impedir o fluxo de migrantes, majoritariamente das Américas Central e do Sul, mas também da China e do Oriente Médio.

"Temos um tremendo poder econômico... se a China ou algum outro país está se comportando mal, temos algo chamado tarifas", disse.
"Vamos ser duros e, se um país não se comportar, vamos impor tarifas", acrescentou, sem dar detalhes sobre a magnitude desses encargos.

 

Acompanhe tudo sobre:EleiçõesEleições EUA 2024Donald TrumpJoe Biden

Mais de Mundo

OMS confirma primeira morte humana no mundo pela gripe aviária H5N2

Partido de Claudia Sheinbaum sinaliza plano de reforma constitucional no México

Navios de guerra russos chegarão em Havana na próxima semana

Países Baixos abrem eleições da UE e duelos com a extrema direita

Mais na Exame