Tribunal peruano nega prisão para ativistas do Greenpeace

O governo do país denunciou os ativistas da ONG ecologista por terem danificado o gigantesco geoglifo em forma de colibri de mais de 2.000 anos

Um tribunal peruano negou o pedido de prisão preventiva e impedimento de saída do país contra os ativistas da ONG Greenpeace acusados de danificar as milenares linhas de Nazca, informou o Ministério Público.

A procuradora provincial de Nazca, Velia Begazo, informou na noite de sexta-feira que o Poder Judiciário devolveu o caso ao Ministério Público "por falta de domicílio para notificar os membros da ONG ambientalista".

Begazo disse à emissora RPP que entregou as contas do Twitter dos ativistas do Greenpeace que provocaram os danos. "No entanto, o Poder Judiciário argumentou que a rede social não é um domicílio real", disse.

A procuradora afirmou que "é possível fazer uma retificação, mas ela precisará esperar até segunda-feira, já que no fim de semana o Poder Judiciário não trabalha".

A decisão do Poder Judiciário foi criticada pela presidente do Conselho de Ministros, Ana Jara, que em sua conta no Twitter anunciou "a gota d'água, o primeiro tribunal de Nazca devolve o caso. Não pode notificar os denunciados por falta de domicílio".

As linhas de Nazca estão localizadas na província de mesmo nome, na região de Ica, 460 km ao sul de Lima, e são a principal atração turística da zona.

Para apreciá-las é preciso embarcar em um avião, já que suas figuras só podem ser vistas do alto.

O governo peruano denunciou os ativistas da ONG ecologista Greenpeace por terem danificado o gigantesco geoglifo em forma de colibri, feito por antigos peruanos há mais de 2.000 anos.

O incidente ocorreu na madrugada de segunda-feira, quando 12 ativistas entraram sem autorização nas linhas de Nazca, declaradas Patrimônio Cultural da Humanidade, e estenderam ao lado do geoglifo em forma de colibri letras de pano amarelo com a mensagem "Time for change: The future is renewable" (Tempo de mudança: o futuro é renovável).

Esta ação levou o governo peruano a denunciar o fato ante o Ministério Público e solicitar prisão preventiva e impedimento de saída do país contra os militantes ecologistas.

Na sexta-feira, o Greenpeace se comprometeu a ajudar as autoridades peruanas nas investigações sobre os danos provocados pela entrada de seus ativistas nas linhas de Nazca, afirmou seu diretor, o sul-africano Kumi Naiddo.

Naiddo deve se reunir com a ministra da Cultura peruana, Diana Álvarez Calderón, e talvez com o presidente Ollanta Humala a fim de pedir desculpas pelo ato dos ativistas.

Em 1994, o Comitê da Unesco declarou o sítio Patrimônio Cultural da Humanidade.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.