Mundo

Terremoto no Marrocos é o mais forte em 120 anos: veja o que se sabe até agora sobre tragédia

Até esta segunda-feira, 11, o balanço provisório de mortos subiu para 2.497 pessoas, de acordo com o ministério do Interior

Veja o que se sabe até agora sobre a tragédia (Said Echarif/Anadolu Agency/Getty Images)

Veja o que se sabe até agora sobre a tragédia (Said Echarif/Anadolu Agency/Getty Images)

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo

Agência de notícias

Publicado em 11 de setembro de 2023 às 10h43.

O terremoto de magnitude 6,8 que atingiu o Marrocos noite de sexta-feira, 8, seguido por diversos tremores secundários, foi o mais forte já sentido no país em mais de um século. A catástrofe semeou destruição e devastação no local, onde o número de mortos e feridos continua aumentando à medida que as equipas de resgate desenterram pessoas vivas e mortas em aldeias que foram reduzidas a escombros. Veja o que se sabe até agora sobre a tragédia.

Quantas pessoas morreram?

Até esta segunda-feira, 11, o balanço provisório de mortos subiu para 2.497 pessoas, de acordo com o ministério do Interior. Pelo menos outras 2.476 pessoas ficaram feridas. O balanço anterior, divulgado na noite de domingo, 10, citava 2.122 mortos e 2.421 feridos.

Dessas, 1.452 mortes ocorreram em Al Haouz, ao sul de Marrakesh. Cerca de 760 também foram registradas em Taroudant e 200 em Chichaoua. A ONU estima que 300 mil pessoas foram afetadas pelo terremoto.

Quais são as áreas mais afetadas?

Um boletim de alerta sísmico divulgado pelo Instituto Nacional Marroquino de Geofísica explica que o terremoto, que ocorreu às 23h11, horário local, de sexta-feira, 8, a uma profundidade de 8 km, teve seu epicentro na cidade de Ighil, localizada a cerca de 80 quilômetros a sudoeste da cidade de Marrakech.

Esse epicentro ocorreu no alto das Montanhas Atlas. A região é em grande parte rural, composta por montanhas de rocha vermelha, desfiladeiros pitorescos e riachos e lagos cintilantes. O terremoto abalou a maior parte de Marrocos e causou ferimentos e mortes noutras províncias, incluindo Marraquexe, Taroudant e Chichaoua. O terremoto foi sentido por países como Portugal, Argélia e Espanha.

Como este episódio se compara com outros terremotos?

O terremoto de sexta-feira foi o mais forte já sentido em Marrocos em mais de um século, mas, embora tremores tão poderosos sejam raros, este, até agora, não é o mais mortal do país. Há pouco mais de 60 anos, o país foi abalado por um terremoto de magnitude 5,8 que matou mais de 12 mil pessoas na costa oeste, onde a cidade de Agadir, a sudoeste de Marrakech, desmoronou. Esse terremoto provocou mudanças nas regras de construção em Marrocos, mas muitos edifícios, especialmente casas rurais, não são construídos para resistir a tais tremores.

Não houve nenhum terremoto mais forte com magnitude maior que 6 em um raio de 500 quilômetros na região do tremor de sexta-feira em pelo menos um século, de acordo com o Serviço Geológico dos Estados Unidos. O norte de Marrocos sofre terremotos com mais frequência, incluindo tremores de magnitude 6,4 em 2004 e magnitude 6,3 em 2016.

Dessas, 1.452 mortes ocorreram em Al Haouz, ao sul de Marrakesh. Cerca de 760 também foram registradas em Taroudant e 200 em Chichaoua. A ONU estima que 300 mil pessoas foram afetadas pelo terremoto.

Como estão funcionando os esforços de resgate?

Marrocos enviou ambulâncias, equipas de resgate e soldados para a região para ajudar nos esforços de resposta a emergências. Grupos de ajuda humanitária disseram que o governo não fez um apelo amplo por ajuda e aceitou apenas assistência externa limitada. O Ministério do Interior disse que estava aceitando ajuda internacional focada em busca e resgate da Espanha, Catar, Reino Unido e Emirados Árabes Unidos, ignorando as ofertas do presidente francês Emmanuel Macron e do presidente dos Estados Unidos, Joe Biden

A vastidão da zona do terremoto e a complexidade do terreno estão dificultando os esforços de resgate, de acordo com Caroline Holt, diretora de desastres, clima e crises da Federação Internacional das Sociedades da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho. Algumas áreas afetadas só eram acessíveis por helicóptero, disse ela, acrescentando que a maquinaria pesada necessária para remover os escombros pode ser difícil de transportar através de um terreno tão montanhoso.

Mais de um dia após o terremoto, edifícios seguiram desmoronando. Em Marrakesh, as pessoas descreveram retiradas da população desesperadas à medida que os muros desabavam. As redes de telefonia celular nas áreas mais afetadas pararam de funcionar, deixando familiares em todo o país e em todo o mundo esperando por notícias.

Quais países estão fornecendo ajuda?

Cerca de 100 equipes compostas por um total de 3,5 mil socorristas estão registradas em uma plataforma da ONU e prontas para serem acionadas no Marrocos quando solicitadas, disseram os Rescuers Without Borders.

Uma equipe espanhola de busca e resgate chegou a Marrakech e seguiu para a zona rural de Talat N’Yaaqoub, de acordo com a Unidade Militar de Emergência da Espanha. O Reino Unido enviou uma equipe de busca de 60 pessoas com quatro cães, equipe médica dispositivos de escuta e equipamento para cortar concreto.

O Grupo Internacional de Busca e Resgate do Catar está indo para Marrocos ajudar nas operações de recuperação, disse a organização num comunicado no domingo.

A Argélia também se ofereceu para reabrir o seu espaço aéreo para ajudar na ajuda e nas evacuações médicas. A Argélia fechou o seu espaço aéreo a Marrocos em 2021, quando os dois países cortaram relações diplomáticas sobre questões que incluíam uma disputa de longa data sobre o Saara Ocidental.

Entretanto, outras equipes de ajuda estrangeiras que estavam preparadas para se deslocarem expressaram frustração por não poderem intervir sem a aprovação do governo. A Alemanha tinha uma equipe de mais de 50 equipes de resgate esperando perto do aeroporto de Colônia-Bonn, mas os mandou para casa, informou a agência de notícias DPA. A República Tcheca disse ter uma equipe de 70 equipes de resgate prontas para partir e aguardar permissão para decolar.

(Com agências internacionais)

Acompanhe tudo sobre:MarrocosTerremotos

Mais de Mundo

Greve geral na Argentina suspenderá voos ao país nesta quinta-feira

Como o julgamento de Trump e protestos afetam as eleições dos EUA?

Ucrânia denuncia ataque 'massivo' russo à sua infraestrutura

Mais na Exame