Mundo

Talibãs rescindem acordo com Cruz Vermelha no Afeganistão

Os talibãs dizem que a organização não prioriza problemas de sua responsabilidade, como o atendimento de prisioneiros que estão em greve de fome

Neste momento preferimos manter conversas secretas e bilaterais com os talibãs para encontrar uma solução para este problema, disse o porta-voz da organização (Mustafa Andaleb/Reuters)

Neste momento preferimos manter conversas secretas e bilaterais com os talibãs para encontrar uma solução para este problema, disse o porta-voz da organização (Mustafa Andaleb/Reuters)

E

EFE

Publicado em 15 de agosto de 2018 às 09h24.

Cabul - Os talibãs anunciaram nesta quarta-feira a rescisão de seu acordo com o Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV), pelo qual se comprometiam a respeitar seus trabalhadores e instalações no Afeganistão, ao considerar que não ofereceram ajuda a "milhares" de presos em greve de fome.

"O Emirado Islâmico do Afeganistão (como se autodenominam os talibãs) anuncia a retirada do compromisso de segurança que tinha outorgado ao CICV para suas atividades no Afeganistão", disse a formação insurgente em comunicado.

"Portanto, o Emirado Islâmico não garante a proteção de suas vidas e propriedades até que cheguem a um acordo com o Emirado Islâmico para corrigir suas ações", detalharam os talibãs.

O grupo insurgente argumentou que a organização humanitária não prioriza a resolução de "problemas básicos" que são sua responsabilidade, como o atendimento a milhares de prisioneiros da prisão de Pul-e-Charkhi em Cabul que estão há dez dias em greve de fome.

Segundo a nota, "centenas" deles morreram em coma e suas vidas correm perigo, porém os talibãs tendem a oferecer informação relaxada relacionada aos membros de suas fileiras e o alcance das suas ações.

A formação acusou o CICV de não "ter regras para tratar os prisioneiros ou processar as autoridades penitenciárias que não fornecem atendimento médico aos pacientes".

A porta-voz do comitê no Afeganistão, Roya Musawi, indicou à Efe que a ONG está "verdadeiramente preocupado" pela segurança de seus funcionários no terreno, as pessoas afetadas pelo conflito e o impacto que a rescisão do acordo terá nos serviços humanitários.

"Neste momento preferimos manter conversas secretas e bilaterais com os talibãs para encontrar uma solução para este problema", apontou, ao rejeitar oferecer mais detalhes a respeito.

Em setembro, o Comitê Internacional da Cruz Vermelha decidiu suspender temporalmente suas atividades no noroeste do Afeganistão com o fechamento de seu único centro operativo na zona, depois que uma trabalhadora espanhola da organização foi assassinada a tiros.

Acompanhe tudo sobre:AfeganistãoCruz VermelhaTalibã

Mais de Mundo

Bandeira invertida coloca Suprema Corte dos EUA em apuros

Primeiro-ministro eslovaco passa por nova cirurgia e segue em estado grave

Vaticano alerta contra episódios imaginários relacionados a milagres e aparições

Governo Biden quer reclassificar maconha como droga de menor risco

Mais na Exame