Mundo

Sexo gay e adultério serão punidos com pena de morte em Brunei

O pequeno sultanato de Brunei implementará o novo e severo código penal a partir da semana que vem

A mesquita sultão Omar Ali Saifudding Mosque, Bandar Seri Begawan, em Brumei - no sudeste asiático (Divulgação/Thinkstock)

A mesquita sultão Omar Ali Saifudding Mosque, Bandar Seri Begawan, em Brumei - no sudeste asiático (Divulgação/Thinkstock)

A

AFP

Publicado em 28 de março de 2019 às 08h34.

Última atualização em 3 de abril de 2019 às 18h31.

O sultanato de Brunei punirá com a pena de morte por apedrejamento o adultério e o sexo gay, informaram as autoridades. A lei, contudo, só se aplica aos muçulmanos.

Os grupos de defesa dos direitos humanos reagiram com espanto nesta quarta-feira a este último passo no endurecimento da lei desta nação rica em recursos, que pratica um islã mais rígido que seus vizinhos Malásia e Indonésia.

O pequeno sultanato implementará o novo e severo código penal, que também prevê a amputação de uma mão ou pé por roubo, a partir da próxima quarta-feira. A homossexualidade já é ilegal em Brunei, mas agora se tornará um crime capital.

Acompanhe tudo sobre:BruneiDireitos HumanosGays

Mais de Mundo

Hezbollah anuncia lançamento de foguetes contra Israel

Governo de Javier Milei revisará indenizações às vítimas da ditadura na Argentina

Hezbollah lança ataque mais profundo a Israel em resposta à morte de um de seus membros

Mais na Exame