Mundo

Rússia bombardeia infraestrutura energética da Ucrânia após Otan liberar armas

Exército ucraniano afirmou ter conseguido abater 35 dos 53 mísseis lançados

Militares ucranianos: Rússia realiza novo ataque contra o país  (AFP/AFP)

Militares ucranianos: Rússia realiza novo ataque contra o país (AFP/AFP)

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo

Agência de notícias

Publicado em 1 de junho de 2024 às 11h47.

A Rússia atacou a infraestrutura energética da Ucrânia com uma grande quantidade de drones e mísseis neste sábado, 1, ferindo pelo menos 19 pessoas, segundo autoridades locais. O Exército ucraniano afirmou ter conseguido abater 35 dos 53 mísseis lançados contra alvos em todo o país durante a noite, bem como 46 dos 47 drones de ataque.

Pessoas ficaram feridas em toda a Ucrânia, incluindo a região de Lviv, que fica próxima da fronteira com a Polônia, e na região central de Dnipropetrovsk. Doze pessoas, incluindo oito crianças foram hospitalizadas após um ataque perto de duas casas na região de Kharkiv, segundo o governador Oleh Syniehubov.

Os ataques fizeram parte de uma série de ataques contínuos da Rússia contra a rede elétrica da Ucrânia, que estão em curso desde março. A maior empresa privada de energia da Ucrânia, DTEK disse que duas das suas centrais elétricas foram seriamente danificadas no que considerou ser o sexto ataque às centrais da empresa em dois meses e meio.

O ministro de Energia da Ucrânia, Herman Halushchenko, afirmou nas redes sociais que a infraestrutura energética de regiões como Zaporizhzhia, Dnipropetrovsk, Donetsk, Kirovohrad e Ivano-Frankivsk também foram atacadas pelas forças de Moscou.

Apagões

Os danos causados à infraestrutura energética da Ucrânia nas últimas semanas forçaram os líderes do país devastado pela guerra a instituir apagões contínuos em todo o território. Sem defesas aéreas adequadas para combater os ataques e permitir reparações, a escassez ainda poderá piorar à medida que a necessidade aumenta no final do verão e no inverno extremamente frio.

Em resposta aos ataques, o presidente ucraniano Volodmir Zelenski reiterou que Kiev precisa de sistemas de defesa aérea adicionais dos seus aliados ocidentais. "Nossos parceiros sabem exatamente o que é necessário. Sistemas Patriot adicionais e outros sistemas modernos de defesa aérea para a Ucrânia. Acelerar e expandir a entrega de F-16 à Ucrânia, fornecendo aos nossos soldados todas as capacidades necessárias."

A Ucrânia também bombardeou alvos russos. Segundo dados de Moscou, cinco civis morreram em meio a bombardeios ucranianos na região de Donetsk ocupada pela Rússia. O Ministério da Defesa russo também afirmou que abateu dois drones ucranianos na manhã deste sábado sobre a região russa de Belgorod. Nenhuma vítima foi relatada.

Armas americanas

O bombardeio em toda a Ucrânia ocorre após o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, permitir na quinta-feira, 30, que a Ucrânia ataque dentro da Rússia com armas fabricadas nos EUA. A Alemanha e a Otan também permitiram o uso do armamento.

A decisão ocorreu após semanas de discussão com os ucranianos, depois que a Rússia começou uma grande ofensiva contra Kharkiv, a segunda maior cidade da Ucrânia. Como Kharkiv está próxima da Rússia, no nordeste da Ucrânia, o exército russo tem atingido a área ao redor da cidade com artilharia e mísseis disparados de dentro do território russo, e os ucranianos pediram aos americanos que lhes dessem maior liberdade para defender Kharkiv.

A permissão do presidente Biden destina-se exclusivamente para a Ucrânia atacar locais militares na Rússia que estão sendo usados para atingir a área de Kharkiv, disseram autoridades dos EUA.

Ofensiva russa

Os russos se aproveitaram do aparente cansaço ocidental em enviar ajuda econômica e militar para a Ucrânia para atacar áreas de infraestrutura civil na Ucrânia. Usando diferentes tipos de bombas e mísseis, Moscou quer testar o sistema de defesa de Kiev em uma cartada para levar os ucranianos à rendição.

No dia 10 de maio, Moscou lançou uma ofensiva surpresa na região de Kharkiv. As tropas de Moscou avançaram mais de 10 km na região, um dos avanços mais rápidos desde o início da guerra.

Depois de muita disputa entre republicanos e democratas, o Congresso dos Estados Unidos conseguiu aprovar um pacote para a Ucrânia de US$ 61 bilhões em abril. O pacote inclui capacidades de defesa aérea, munições de artilharia, veículos blindados e outras armas para reforçar as forças ucranianas. Mas os armamentos estão chegando no país do Leste Europeu a conta-gotas possibilitando que os russos tivessem margem de manobra para atacar.

Acompanhe tudo sobre:RússiaUcrâniaGuerras

Mais de Mundo

Milei retira Aerolíneas e Correios de lista de privatizações para tentar aprovar Lei de Bases

Hezbollah ataca Israel com mais de 100 foguetes após assassinato de comandante

Cúpula suíça fala de paz na Ucrânia, reúne países do Sul Global e deixa Rússia de fora

Submarino nuclear russo chega a Cuba para celebração de relação diplomatica entre países

Mais na Exame