Acompanhe:

Primeiro-ministro de Israel diz que lutará até a vitória em Gaza

Durante a sua viagem, Netanyahu encontrou-se com comandantes e soldados israelenses em Gaza e visitou parte da vasta rede de túneis subterrâneos utilizados pelo Hamas

Modo escuro

Continua após a publicidade
Benjamin Netanyahu: "Continuamos até o fim, até a vitória. Nada nos impedirá." (JACQUELYN MARTIN/POOL/AFP /Getty Images)

Benjamin Netanyahu: "Continuamos até o fim, até a vitória. Nada nos impedirá." (JACQUELYN MARTIN/POOL/AFP /Getty Images)

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, visitou neste domingo a Faixa de Gaza pela primeira vez desde o início da guerra e disse que Israel deseja uma vitória decisiva contra o Hamas. "Temos três objetivos para esta guerra: eliminar o Hamas, devolver todos os nossos sequestrados e garantir que Gaza não se torne novamente uma ameaça ao Estado de Israel", disse Netanyahu. "Continuamos até o fim, até a vitória. Nada nos impedirá."

Durante a sua viagem, Netanyahu encontrou-se com comandantes e soldados israelenses em Gaza e visitou parte da vasta rede de túneis subterrâneos utilizados pelo Hamas para transportar e esconder pessoas e recursos na parte norte. Israel prometeu retomar a sua luta contra o Hamas assim que terminar a trégua em curso, que visa libertar os reféns detidos em Gaza.

Mais cedo, o conselheiro de segurança nacional da Casa Branca, Jake Sullivan, disse que Israel tem o direito de se defender e está disposto a prolongar a pausa temporária nos combates em Gaza para além dos quatro dias planeados, desde que o Hamas continue a libertar reféns. Em entrevista na CNN, ele afirmou que "a bola está com o Hamas" se eles quiserem ver uma prorrogação da pausa nos combates.

Sullivan foi questionado se o presidente Biden apoiaria Israel na retomada de seu esforço militar contra o Hamas se o grupo parasse de libertar reféns. Ele afirmou que Biden disse que "Israel tem o direito, na verdade a responsabilidade, de se defender contra um inimigo terrorista implacável".

Sullivan acrescentou que quaisquer operações militares "devem ser conduzidas de uma forma que proteja os civis, que distinga os terroristas dos civis e que garanta que esses civis tenham locais seguros para estar e acesso à ajuda humanitária que salva vidas".

O irmão de uma mulher israelense detida em Gaza ainda acusa o Hamas de violar os termos do acordo com Israel ao não libertar a mulher junto com sua filha de 13 anos. Hila Rotem Shoshani, 13 anos, foi libertada no final do sábado, mas a sua mãe, Raaya Rotem, permanece em Gaza. Ele afirmou que o Hamas não cumpriu um acordo para não separar as mães dos seus filhos.

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Israel e Hamas indicam que não há acordo iminente, após Biden sinalizar trégua em breve
Brasil

Israel e Hamas indicam que não há acordo iminente, após Biden sinalizar trégua em breve

Há 2 dias

Impacto econômico dos ataques no Mar Vermelho permanece 'moderado', diz OMC
Mundo

Impacto econômico dos ataques no Mar Vermelho permanece 'moderado', diz OMC

Há 3 dias

Biden espera cessar-fogo de 40 dias entre Israel e Hamas até a próxima segunda-feira
Mundo

Biden espera cessar-fogo de 40 dias entre Israel e Hamas até a próxima segunda-feira

Há 3 dias

Pela primeira vez desde início da guerra, Israel ataca posições do Hezbollah no Leste do Líbano
Mundo

Pela primeira vez desde início da guerra, Israel ataca posições do Hezbollah no Leste do Líbano

Há 3 dias

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais