Mundo

Presidente egípcio cancela destituição de procurador-geral

Vice-presidente explicou que Mursi tomou a decisão depois que o Conselho Supremo de Justiça solicitou que o procurador-geral permanecesse no cargo


	O presidente egípcio Mohamed Mursi 
 (Mark Wilson/AFP)

O presidente egípcio Mohamed Mursi  (Mark Wilson/AFP)

DR

Da Redação

Publicado em 13 de outubro de 2012 às 13h49.

Cairo - O presidente egípcio, Mohammed Mursi, revogou neste sábado sua decisão de destituir o procurador-geral Abdelmeguid Mahmoud, que se negou a abandonar o posto, informou o vice-presidente do Egito, Mahmoud Meki.

Em entrevista coletiva, Meki explicou que Mursi tomou a decisão depois que o Conselho Supremo de Justiça solicitou que Mahmoud permanecesse no cargo.

'Preservar o Poder Judiciário, da mesma forma que os outros poderes do Estado, é um objetivo fundamental e o presidente da República trabalha para salvaguardar a Justiça', disse Meki.

Mursi destituiu Mahmoud na quinta-feira, no dia seguinte da absolvição de vários ex-altos cargos do antigo regime do presidente deposto Hosni Mubarak (1981-2011) pela morte de manifestantes durante a revolução.

Mahmoud, no entanto, não aceitou a decisão presidencial e argumentou que a lei estabelece que o chefe de Estado não pode demitir o procurador-geral, salvo se ele mesmo solicitar ou se aposentar.

Em sua queda-de-braço com Mursi, Mahmoud afirmou que não tinha intenção de renunciar e na mesma manhã foi trabalhar em seu escritório na sede do Tribunal Superior de Justiça, onde centenas de juízes o esperavam para manifestar seu apoio.

Ontem, a Irmandade Muçulmana organizou um protesto na praça Tahrir, no Cairo, para protestar contra a decisão judicial e pedir a renúncia de Mahmoud, o que desencadeou confrontos com manifestante anti-Mursi, nos quais mais de 100 pessoas ficaram feridas.

Acompanhe tudo sobre:ÁfricaCairoEgitoMohamed MursiPolíticos

Mais de Mundo

Onda de calor: México registra 48 mortes devido às altas temperaturas

Pandemia de covid reduziu em quase 2 anos expectativa de vida entre 2019 e 2021

Calor sufocante deixa 22 mortos e temperaturas acima de 45ºC no México

Irã diz que helicóptero de Raisi pegou fogo após queda e que não há sinal de ataque

Mais na Exame