Mundo

Premiê diz que dívida britânica é maior do que se pensava

Segundo o primeiro-ministro David Cameron, déficit da Grã-Bretanha já chega a 177,84 bilhões de euros

O premiê britânico, David Cameron: ele acusa seu antecessor, Gordon Brown, de gastar excessivamente (Getty Images)

O premiê britânico, David Cameron: ele acusa seu antecessor, Gordon Brown, de gastar excessivamente (Getty Images)

DR

Da Redação

Publicado em 7 de junho de 2010 às 08h26.

Londres - O primeiro-ministro do Reino Unido, David Cameron, advertiu hoje que o déficit público do país está em "pior" situação do que se pensava antes e, por isso, o problema afetará o "estilo de vida" de toda a população britânica.

Em discurso pronunciado à imprensa na cidade de Milton Keynes, nos arredores de Londres, Cameron reiterou a difícil situação das finanças públicas britânicas, já que o déficit chega a 156 bilhões de libras (177,84 bilhões de euros).

O premiê acusou o Governo anterior do trabalhista Gordon Brown de gastar de maneira "excessiva". Segundo ele, a atual administração de coalizão terá de pôr a casa em ordem.

Se não houver cortes nos gastos públicos, o Tesouro terá de pagar 70 bilhões de libras (79,8 bilhões de euros) em juros da dívida em cinco anos, uma quantia que supera o que se investe em áreas como educação, transporte e medidas contra a mudança climática, afirmou Cameron.

O primeiro-ministro, cujo discurso é uma advertência do que se espera para o orçamento do Estado, explicou que o Governo de coalizão entre conservadores e liberal-democratas teve acesso às contas públicas do Reino Unido, as quais mostram que o problema "é maior do que pensávamos".

"A forma como enfrentaremos essas coisas afetará nossa economia, nossa sociedade e certamente nosso estilo de vida", ressaltou. "As decisões que tomarmos afetará cada um neste país. E os efeitos dessas decisões nos acompanharão durante anos, talvez décadas à frente".


Segundo ele, é por isso que o Governo quer explicar à população a situação na qual estão as finanças públicas de maneira "transparente, responsável e justa".

"Eu quero que este Governo leve adiante um plano inevitável de redução do déficit britânico de modo que fortaleça e una o país", destacou Cameron, que esteve acompanhado pelo responsável do Tesouro, Danny Alexander.

Ele ressaltou que a situação da dívida do Reino Unido é melhor que a da Grécia.

"Os mercados financeiros globais já não se centram simplesmente na posição financeira dos bancos. Eles querem saber que os Governos que apoiaram os bancos nos últimos 18 meses tomam medidas para controlar as finanças", acrescentou.

No próximo dia 22, o ministro das Finanças do Reino Unido, George Osborne, divulgará no Parlamento o orçamento de emergência para cortar o déficit público.

Em 24 de maio, Osborne havia já havia divulgado o plano de cortes dos gastos públicos para reduzir em 6,25 bilhões de libras (7,125 bilhões de euros) o avultado déficit do país.

Os cortes afetam especialmente a área de informática do Governo, assim como os gastos relativos a viagens de funcionários públicos, assistência financeira aos recém-nascidos e aos assessores externos financiados pela Administração.


Acompanhe tudo sobre:Dívida públicaEuropaOrçamento federalPaíses ricosReino Unido

Mais de Mundo

Arábia Saudita nomeia primeiro embaixador na Síria desde 2012

Ciclone Remal toca o solo em Bangladesh; quase 1 milhão de pessoas em abrigos

Trump promete soltar traficante em troca de apoio do Partido Libertário

Governo da Colômbia e ELN assinam primeiro acordo no processo de paz

Mais na Exame