Mundo

Por que Rafah é tão importante para Israel?

Israelenses acreditam que cidade é o último bastião do Hamas; 1,4 milhão de palestinos estão no local

Da Redação
Da Redação

Redação Exame

Publicado em 7 de maio de 2024 às 14h56.

A operação militar de Israel em Rafah, no sul da Faixa de Gaza, que abriga mais de um milhão refugiados palestinos, preocupa países da região e aliados. Tel Aviv diz que o local seria último bastião do Hamas.

Israel diz já ter o controle da passagem de Rafah na fronteira com o Egito. A situação preocupa, já que acredita-se que 1,4 milhão de palestinos deslocados estejam em Rafah vivendo em condições dramáticas.

Isso acontece depois do Hamas declarar que aceitou as condições do cessar-fogo proposto por Egito e Qatar.

Mas por que Rafah é tão importante para Israel?

Segundo a Deutsche Welle, Israel calcula que quatro brigadas do Hamas, remanescentes das 24 que existiam, estejam escondidas em Rafah. Para Israel, eliminar essas últimas unidades do grupo é o passo decisivo para destruir a organização.

Ainda que não tenha sido derrotado militarmente, o Hamas perdeu bastante seu poder de resistência desde que o último confronto com Israel começou - em outubro do ano passado.

À DW, Michael Milshtein, ex-membro da inteligência militar israelense e atual pesquisador do Centro Moshe Dayan na Universidade de Tel Aviv, falou que Israel teria destruído entre 70% e 80% do arsenal do Hamas até o mês de abril.

A ofensiva israelense em Rafah vinha sendo discutida  desde o início de fevereiro. Aliados como os EUA alertaram várias vezes para que Tel Aviv evitasse realizar uma operação militar numa região densamente povoada.

100 mil pessoas avisadas do ataque

Na manhã desta segunda-feira, cerca de 100 mil moradores de áreas ao leste de Rafah receberam mensagens e folhetos distribuídos pelas Forças de Defesa de Israel pedindo que se dirigissem a uma "zona humanitária ampliada" em Al-Mawasi. "Qualquer pessoa que permanecer nos locais colocará em risco a si mesmo e aos membros de sua família. Para sua segurança, retire-se imediatamente para a zona humanitária ampliada em Al-Mawasi", diziam os panfletos.

Al-Mawasi é uma área próxima ao litoral de Gaza a cerca de 20 quilômetros ao norte de Rafah. 

Segundo reportagem publicada pelo The Wall Street Journal, Israel planeja realizar a ofensiva por terra em etapas, sendo que a evacuação levaria entre duas e três semanas.

Desdobramentos do ataque

Segundo a ONU, dos quase 2,3 milhões de habitantes da Faixa de Gaza, mais de 1,4 milhão encontraram refúgio em Rafah, hoje a cidade mais populosa do enclave.

Os campos de refugiados no entorno da cidade estão superlotados, há escassez de alimentos, água potável e medicamentos. No sul de Gaza, quase um quarto da população está em situação alimentar catastrófica.

O Hamas alertou para "graves consequências" no caso de uma ação militar israelense em Rafah. A Casa Branca ainda espera uma solução pacífica para a situação. Segundo relatos na imprensa americana, William Burns, diretor da CIA, estaria trabalhando por um acordo.

Acompanhe tudo sobre:PalestinaIsraelFaixa de Gaza

Mais de Mundo

Lula liga para nova presidente do México e a parabeniza por vitória

Líderes do G7 apoiam acordo de Biden para cessar-fogo imediato em Gaza

UE realiza eleições nesta semana para o Parlamento Europeu, com potencial avanço da direita

Lufthansa deverá devolver R$ 4 bilhões por cancelamentos de voos durante pandemia, nos EUA

Mais na Exame