Mundo

Por que há tantos mortos nesta temporada no Everest?

A temporada deste ano foi considerada a mais mortal em anos, deixando 11 mortos no Monte Everest

O número de pessoas que chegaram ao topo do Everest em 2019 pode superar o recorde do ano passado (AFP/AFP)

O número de pessoas que chegaram ao topo do Everest em 2019 pode superar o recorde do ano passado (AFP/AFP)

A

AFP

Publicado em 29 de maio de 2019 às 17h10.

Última atualização em 31 de maio de 2019 às 11h13.

Com a volta das nuvens e ventos gelados com força de furacão ao Monte Everest, como todos os anos, surgem perguntas sobre como controlar as subidas ao pico mais alto do mundo, depois da temporada mais mortal em anos.

Em média, cinco montanhistas morrem por ano nas estreitas e geladas passagens com pouco oxigênio para o pico de 8.848 metros. Nesta temporada, 11 pessoas morreram em seus declives traiçoeiros, onde os montanhistas fizeram fila, às vezes por horas, esperando sua vez para chegar ao cume.

Estes são alguns dos problemas que a lucrativa indústria do Everest enfrenta, e suas possíveis soluções:

Dias de cume

Apesar de que o número final ainda não foi divulgado, o número de pessoas que chegaram ao topo do Everest em 2019 poderia superar o recorde de 807 do ano passado.

O Nepal emitiu 381 autorizações por 11.000 dólares cada para a temporada de primavera, e ao menos outras 140 foram outorgadas no flanco norte no Tibete.

A maioria dos montanhistas são escoltados por ao menos um guia nepalense.

Mas a afluência fez que se acumulassem multidões em alguns gargalos no caminho, em especial depois de que o mau tempo reduziu o número de dias para tentar a subida.

Em 2018, o clima ajudou e a janela para chegar ao cume esteve aberta por 11 dias, mas este ano os terríveis ventos reduziram essa cifra a menos de seis.

Everest

Cinco pessoas morreram em 2018. Este ano foram nove montanhistas do lado nepalense e dois do lado tibetano.

Nirmal Purja, que escalou seis picos de mais de 8.000 metros em apenas 31 dias nesta temporada, disse que a rota para o cume deveria ser estabelecida com antecedência para facilitar o tráfico.

Mas Ang Dorji Sherpa, do Comitê Sagarmatha de Controle da Poluição, que vigila a abertura da parte baixa da rota, disse que o foco deve estar em limitar o número de montanhistas, já que é o clima que dita quando se podem colocar cordas.

Manejo da multidão

Assim como a praia se enche no primeiro dia de verão, a crista do cume Everest estava repleta com mais de 200 montanhistas em 22 de maio, quando foi reaberta após o mau tempo.

As equipes esperaram horas sob temperaturas geladas para ascender ao cume e descer. A espera aumentou o risco de congelamento, esgotamento e mal de altura em uma região com escasso oxigênio.

O engarrafamento na chamada "zona da morte" foi responsável por ao menos quatro mortes este ano.

O montanhista indiano Aditi Vaidya disse que uma hora de espera é potencialmente mortal.

"Lá é onde a maioria das pessoas sofrem de congelamento. Porque se você não caminha, se não se move, seu corpo não está quente, você tem frio e não importa que tenha comprado o melhor equipamento de montanha. Não acredito que nada, nada feito pelo homem, possa combater a natureza", explicou.

Gyanendra Shrestha, oficial de ligação do governo no acampamento base do Everest, afirmou que os montanhistas ficam apressados demais quando se abre a janela de subida.

"Se houvesse coordenação entre as equipes, e os montanhistas tivessem se separado no tempo, não teríamos tido tal aglomeração", afirmou Shrestha.

Inexperiência

Montanhistas relataram que havia muitos novatos sem experiência, movendo-se devagar demais e arriscando suas vidas e as dos outros.

"Vi alpinistas que necessitavam de seus guias até mesmo para calçar os sapatos", afirmou um montanhista.

Houve pedidos ao governo para que limite o número de autorizações ou estabeleça um critério para permitir a subida à montanha.

Mas Damian Benegas, que guiou equipes no Everest por quase duas décadas, disse que "limitar as autorizações não mudará a qualidade dos alpinistas".

"Os operadores sabem mais e devem estabelecer um padrão de quem levarão acima na montanha".

Operadores baratos

O boom do Everest fez do montanhismo um negócio lucrativo desde que Sir Edmund Hillary e o xerpa Tenzing Norgay chegaram ao topo pela primeira vez, em 1953.

Tratou-se então de uma grande expedição, mas hoje em dia se pode conquistar o Everest por cerca de 30.000 dólares, e alguns poucos pagam mais de 65.000.

O corte dos custos leva a guias menos qualificados, equipamento de menor qualidade e medidas pobres de segurança.

Enquanto o número de montanhistas dobrou em uma década, o de xerpas não seguiu esse passo.

Os recrutas sem preparação que com frequência só haviam levado equipamento até os acampamentos mais altos agora estão encarregados de chegar ao topo com clientes.

"O guia tem que saber quando voltar, inclusive se o cliente insistir em continuar subindo", conclui Tashi Sherpa, um guia de montanha com certificado internacional.

Acompanhe tudo sobre:MortesNepal

Mais de Mundo

Hezbollah anuncia lançamento de foguetes contra Israel

Governo de Javier Milei revisará indenizações às vítimas da ditadura na Argentina

Hezbollah lança ataque mais profundo a Israel em resposta à morte de um de seus membros

Mais na Exame