Mundo

Próximo de conquistar terceiro mandato, Modi projeta futuro da Índia como potência espacial

Em dez anos sob comando de premier, país expandiu indústria local e investiu em parcerias internacionais com planos ambiciosos para as próximas décadas, como levar homem à Lua

Narendra Modi é favorito na disputa eleitoral na Índia (Noah Seelam/AFP/Getty Images)

Narendra Modi é favorito na disputa eleitoral na Índia (Noah Seelam/AFP/Getty Images)

Agência o Globo
Agência o Globo

Agência de notícias

Publicado em 2 de junho de 2024 às 09h26.

Última atualização em 2 de junho de 2024 às 09h28.

Três meses de diferença separam dois eventos importantes e distintos ocorridos na Índia de uma década atrás. Quando o então recém-eleito primeiro-ministro Narendra Modi assumiu o posto de maior liderança no país, em junho de 2014, a espaçonave da Mangalyaan — primeira missão de exploração interplanetária indiana — estava prestes a chegar ao seu destino final, a órbita de Marte, e logo inauguraria uma nova e promissora era de conquistas espaciais para a nação asiática.

Dez anos depois, com uma série de êxitos inéditos e uma indústria espacial em constante crescimento, a Índia caminha para se estabelecer como uma “potência espacial líder” — uma promessa de Modi, que, por sua vez, caminha a largos passos para obter seu terceiro mandato consecutivo nas eleições gerais, iniciadas em 19 de abril e finalizadas ontem, cujos resultados estão previstos para esta semana.

REVISTA EXAME: Eleições na Índia: as razões para o favoritismo de Modi na maior democracia do mundo

Plano de uma década

Com a provável reeleição do premier, como apontam as sondagens, os planos para a continuidade dos investimentos no setor espacial — que foram divulgados no manifesto de seu partido, o Bharatiya Janata (BJP) — incluem, entre outros, o primeiro voo tripulado do país ao espaço, o estabelecimento de uma estação espacial indiana, além da promessa de envio do primeiro astronauta indiano à Lua — ou “vyomanauta”, termo em sânscrito cunhado pela Organização Indiana de Pesquisa Espacial (ISRO), que significa “homem dos céus”.

Oficialmente, o BJP não estabeleceu uma data-limite para o cumprimento da agenda, mas declarações do próprio Modi apontam para um planejamento ambicioso e que até mesmo ultrapassa os cinco anos de mandato previstos na Lok Sabha — a Câmara baixa do Parlamento indiano — podendo se estender a até mais de uma década à frente.

No caso da Estação Bharatiya Antariksha, por exemplo, o objetivo é que esteja concluída em 2035. Já os planos de pisar na Lua só devem se concretizar por volta do ano de 2040, estima a ISRO.

A determinação da Índia na exploração espacial já é conhecida, com uma série de conquistas notáveis. Um dos últimos feitos históricos foi o pouso inédito no polo sul da Lua, região quase inexplorada, com a missão Chandrayaan-3 — sânscrito para “nave lunar” — em agosto de 2023.

A conquista levou a Índia a se tornar o primeiro país a conseguir tal façanha, entrando também no seleto grupo de nações que já haviam realizado uma alunissagem controlada, juntamente com a China, a ex-União Soviética e os Estados Unidos.

— Esta conquista pertence a toda a Humanidade e ajudará as missões lunares de outros países no futuro — disse Modi em discurso após o pouso.

‘Receita de sucesso’

Aos 73 anos, o premier é bastante popular mesmo após uma década no cargo, período em que a Índia mais expandiu sua indústria espacial — tornando-se também uma potência econômica e de influência diplomática mundial. Segundo o Centro de Pesquisas Pew, quase 80% da população de mais de 1,4 bilhão de pessoas tinha, em 2023, uma opinião favorável sobre Modi. Do total, quase 970 milhões estavam aptos a votar.

A ascensão do país como uma potência espacial mundial não ocorre por acaso. São décadas de comprometimento com um programa robusto liderado pela ISRO, sob a chancela do governo.

Para o coordenador-geral de Engenharia, Tecnologia e Ciência Espaciais do INPE, Adenilson Roberto da Silva, a “receita de sucesso” indiana é uma mistura de eficiência e investimento contínuo em educação, aliada a baixos custos operacionais. A Mangalyaan, por exemplo, custou à Índia cerca de US$ 74 milhões em 2014, uma fração dos gastos que a Nasa teve ao levar o satélite Haven a Marte no ano anterior (US$ 671 milhões).

Comparando os orçamentos anuais, a diferença também é significativa: a agência indiana opera com cerca de US$ 1,5 bilhão, enquanto a americana dispõe de quase US$ 25 bilhões por ano.

Além disso, o país é um dos que mais investem em pesquisa, atrás apenas dos EUA e da China. Entre 2014 e 2021, o número de universidades indianas aumentou de 760 para 1.113, e foram criados mais institutos de tecnologia e investigação científica no país, segundo dados do governo.

— Quando esse investimento se mantém ao longo dos anos, você também tem uma força de trabalho jovem e bastante competente sempre sendo formada — disse Silva.

Também são ingredientes da receita as crescentes parcerias internacionais e com o setor privado, que ampliaram significativamente os recursos para pesquisa espacial no país, destaca Clayton Swope, membro sênior do Programa de Segurança Internacional do Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais (CSIS).

As principais mudanças ocorreram a partir de 2020, com incentivos anunciados pelo governo. Desde então, mais de 140 startups de tecnologia espacial foram registradas no país e trabalham em cooperação com a ISRO.

— Esse modelo de sucesso da Índia cria ainda mais competição global por serviços espaciais, o que ajuda a reduzir o custo de operações, além de abrir o espaço para mais casos de uso comercial, não apenas na Índia, mas também com clientes de outros países — explicou Swope ao GLOBO.

Início modesto, futuro ambicioso

Tudo começou modestamente em 1962, uma década e meia após a independência do país, uma colônia britânica até 1947. Sob o recém-criado Incospar (Comitê Nacional Indiano para Pesquisa Espacial) — liderado pelo físico e astrônomo Vikram Sarabhai, o “pai” do programa espacial indiano — foi lançado, em 1963, o primeiro foguete de sondagem da Índia, com o auxílio das agências espaciais americana e francesa.

A fundação da ISRO ocorreria somente em 1969. A missão inaugural, a Aryabhata, aconteceria poucos anos mais tarde, em 1975, com o lançamento do primeiro satélite desenvolvido completamente na Índia. Dali até o fim da década de 1990, o país já havia se tornado autossuficiente no lançamento de satélites (em sua maioria, de observação, meteorologia e comunicação terrestre), entre centenas de missões de sucesso.

E é desde 2008 que o país evoluiu de lançamentos “modestos” para missões extraplanetárias ambiciosas e recordes internacionais. A começar pela Chandrayaan-1, a primeira missão lunar da Índia, que descobriu moléculas de água na superfície do satélite natural da Terra.

Atualmente, a Índia tem uma série de missões em andamento ou projetos em desenvolvimento. Neste exato instante, a sonda Aditya-L1, enviada no final do ano passado, orbita a atmosfera solar para estudos inéditos da superfície do astro. E, ainda este ano, está previsto o primeiro voo não tripulado da espaçonave Gaganyaan, que deve levar três astronautas indianos à órbita da Terra em 2025.

Leia mais

Acompanhe tudo sobre:ÍndiaNarendra Modi

Mais de Mundo

Exército israelense anuncia pausa diária nas operações em uma região de Gaza

Cúpula pela paz na Suíça reafirma integridade da Ucrânia, mas pede negociações com a Rússia

Brasil é 3º país mais inseguro da América do Sul, diz Global Peace Index

Candidato à presidência denuncia 'prisão arbitrária' de assistentes na Venezuela

Mais na Exame