Acompanhe:

Paz entre Israel e Líbano? Acordo entre os dois países deve irrigar o mundo de petróleo

Beirute e Tel-Aviv disputam fronteira marítima onde se encontra uma enorme reserva de petróleo e gás, que até hoje não foi explorada; enviado americano segue para região a fim de selar acordo

Modo escuro

Continua após a publicidade
O enviado americano Amos Hochstein em visita ao Líbano no início deste mês: acordo sobre reservas de petróleo e gás (ANWAR AMRO/AFP via Getty Images/Getty Images)

O enviado americano Amos Hochstein em visita ao Líbano no início deste mês: acordo sobre reservas de petróleo e gás (ANWAR AMRO/AFP via Getty Images/Getty Images)

C
Carla Aranha

Publicado em 24 de agosto de 2022 às, 17h40.

Última atualização em 24 de agosto de 2022 às, 18h11.

Há anos, Israel e o Líbano duelam sobre a fronteira marítima onde está localizada uma das maiores reservas de gás e petróleo do mundo. O depósito de hidrocarbonetos, no Mar Mediterrâneo, avaliado em centenas de bilhões de dólares, possui mais de 530 bilhões de metros cúbicos de gás natural — em toda a bacia, que chega até a Turquia e o Egito, há mais de 1,7 bilhão de barris de petróleo, segundo o serviço geológico americano. Em uma de suas partes mais ricas, entre Israel o Líbano, o local não foi explorado por conta de disputas geopolíticas e de fronteira.

Agora, esse cenário pode ganhar novos contornos. É esperada uma visita do enviado especial americano, Amos Hochstein, na região nos próximos dias. Coordenador de energia internacional da Casa Branca, Hochstein deverá levar uma proposta de acordo em relação à disputa de fronteira marítima entre Israel e o Líbano. O acordo poderá representar um alívio na escalada de tensões na região, depois do aumento de ameaças de ambos os lados e bombardeios de Israel na Faixa de Gaza, na Palestina. No Líbano, o Hezbollah, que prega o fim do estado israelense, também havia subido o tom em relação à disputa pela reserva de gás e petróleo no Mediterrâneo e ataques a palestinos.

A aproximação entre os dois países ocorre em um momento de uma crise econômica sem precedentes no Líbano: o PIB encolheu 10% em 2021 (em relação a 2019, a queda é de 58%, segundo o Fundo Monetário Internacional) e 80% da população se viu incluída na faixa de pobreza. A exploração da bacia de hidrocarbonetos poderia injetar mais de US$ 200 bilhões na economia libanesa ao longo dos anos, segundo especialistas.

Para fechar um acordo, o Líbano deve abrir mão de parte de uma das linhas da fronteira marítima que disputava. Em troca, ganharia uma faixa extra próximo à reserva de gás e petróleo Qana, tendo todos os direitos sobre ela.

Hochstein esteve em Israel no início do mês para conversas sobre as fronteiras marítimas. Na ocasião, o enviado americano também visitou o Líbano, onde se reuniu com a cúpula do governo. A visita serviu para apaziguar os ânimos em relação à exploração de uma reserva de hidrocarbonetos que se tornou objeto de conflito entre Beirute e Tel-Aviv após Israel enviar navios e equipamentos de prospecção para o local sem o aval das autoridades libanesas.

Veja também:

 

 

 

 

 

 

Últimas Notícias

Ver mais
Incêndio no Texas é tão grande que pode ser visto do espaço
Mundo

Incêndio no Texas é tão grande que pode ser visto do espaço

Há 7 horas

Câmara dos Representantes dos EUA aprova lei de gasto temporário para evitar shutdown
Mundo

Câmara dos Representantes dos EUA aprova lei de gasto temporário para evitar shutdown

Há 20 horas

PCE: índice de inflação nos EUA mantém queda e vai a 2,4% em janeiro
Economia

PCE: índice de inflação nos EUA mantém queda e vai a 2,4% em janeiro

Há um dia

O que se sabe sobre o projeto Maven, o programa militar de IA dos EUA
Inteligência Artificial

O que se sabe sobre o projeto Maven, o programa militar de IA dos EUA

Há um dia

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais