Mundo

Partido conservador vence eleição legislativa da Grécia, mas não conquista maioria

A eleição de domingo foi a primeira da Grécia desde que sua economia deixou de estar sob estrita supervisão de credores internacionais que forneceram fundos de resgate durante a crise financeira de quase uma década do país

Prime Minister of Greece Kyriakos Mitsotakis talks to the media at a standup doorstep media press briefing after the end of the two day European Council summit. The Greek PM does a statement, talks about the meeting with the EU leaders and heads of states at the headquarters of the European Union and answers questions from journalists. The PM recently announced that Greece will hold legislative elections on 21 May 2023 for the 300 seats in the Hellenic Parliament and government election. Kiriakos Mitsotakis is the president of New Democracy ( Nea Dikokratia ND ) a liberal-conservative political party. EUCO in Brussels, Belgium on 24 March 2023  (Photo by Nicolas Economou/NurPhoto via Getty Images) (Nicolas Economou/Getty Images)

Prime Minister of Greece Kyriakos Mitsotakis talks to the media at a standup doorstep media press briefing after the end of the two day European Council summit. The Greek PM does a statement, talks about the meeting with the EU leaders and heads of states at the headquarters of the European Union and answers questions from journalists. The PM recently announced that Greece will hold legislative elections on 21 May 2023 for the 300 seats in the Hellenic Parliament and government election. Kiriakos Mitsotakis is the president of New Democracy ( Nea Dikokratia ND ) a liberal-conservative political party. EUCO in Brussels, Belgium on 24 March 2023 (Photo by Nicolas Economou/NurPhoto via Getty Images) (Nicolas Economou/Getty Images)

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo

Agência de notícias

Publicado em 22 de maio de 2023 às 10h42.

O primeiro-ministro da Grécia, Kiriakos Mitsotakis, cujo partido conservador obteve uma vitória esmagadora nas eleições deste domingo, 21, mas sem as cadeiras necessárias no Parlamento para obter uma maioria, indicou que deve buscar uma segunda eleição em uma tentativa de consolidar a vitória sem a necessidade de um parceiro de coalizão.

De acordo com os resultados, o partido do primeiro-ministro, o Nova Democracia, estava muito a frente do partido de esquerda Syriza. Mesmo assim, o partido da situação não conseguiu garantir a maioria das 300 cadeiras do parlamento. Para formar um governo, ele teria de buscar um parceiro de coalizão de um partido menor ou ir a uma segunda eleição. "Precisamos acelerar o processo para uma solução definitiva de governo", afirmou Mitsotakis.

Apoiadores do partido do primeiro-ministro se aglomeraram na entrada da sede do partido em Atenas para aplaudir e festejar os resultados das urnas.

Uma segunda eleição, que provavelmente será realizada no final de junho ou início de julho, será conduzida sob uma nova lei eleitoral que concede assentos extras ao partido vencedor, facilitando a formação de um governo por conta própria.

Eleições

A eleição de domingo foi a primeira da Grécia desde que sua economia deixou de estar sob estrita supervisão de credores internacionais que forneceram fundos de resgate durante a crise financeira de quase uma década do país.

O líder do Syriza, Alexis Tsipras, 48 anos, foi primeiro-ministro durante alguns dos anos mais tumultuados da crise e tem lutado para recuperar o amplo apoio de que desfrutou quando foi levado ao poder em 2015 com a promessa de reverter as medidas de austeridade impostas pelo resgate.

Desde que chegou ao cargo de primeiro-ministro em 2019, Mitsotakis apresentou um crescimento inesperadamente alto, uma queda acentuada no desemprego e um país prestes a retornar ao grau de investimento no mercado global de títulos pela primeira vez desde que perdeu o acesso ao mercado em 2010, no início da crise financeira.

As dívidas com o Fundo Monetário Internacional foram pagas antecipadamente. Os governos europeus e o FMI injetaram 280 bilhões de euros (US$ 300 bilhões) na economia grega em empréstimos de emergência entre 2010 e 2018 para impedir a falência do membro da zona do euro. Em troca, exigiam medidas punitivas de corte de custos e reformas que reduziram a economia do país em um quarto

Acompanhe tudo sobre:GréciaEleições

Mais de Mundo

Eleições na França: os planos dos rivais de Macron para a economia

EUA anuncia que vai priorizar entregas de sistemas de defesa aérea Patriot para a Ucrânia

Putin ganha cães de Kim Jong-un durante visita à Coreia do Norte; veja fotos

Ozempic e Wegovy "acabam" com canetas de insulina na África do Sul; entenda

Mais na Exame