Mundo

Palestino fere pelo menos 6 israelenses na Cisjordânia ocupada

Suspeito foi neutralizado por um agente da polícia fronteiriça a leste de Jerusalém

Cisjordânia: palestinos e israelenses disputam o território  (Agence France-Presse/AFP)

Cisjordânia: palestinos e israelenses disputam o território (Agence France-Presse/AFP)

AFP
AFP

Agência de notícias

Publicado em 1 de agosto de 2023 às 20h02.

Um palestino abriu fogo, nesta terça-feira, 1º, contra um grupo de israelenses em um assentamento da Cisjordânia ocupada e feriu seis pessoas antes de ser "neutralizado" por um agente da polícia fronteiriça, anunciou a polícia israelense.

"Um terrorista abriu fogo contra um grupo de pessoas em Maaleh Adumim", a leste de Jerusalém, indicou a polícia em um comunicado, que informou sobre quatro civis feridos.

Receba as notícias mais relevantes do Brasil e do mundo em primeira mão. Inscreva-se no Telegram da Exame

O indivíduo "foi neutralizado por um agente da polícia fronteiriça que não estava em serviço", acrescentou o corpo armado. A polícia confirmou à AFP que o agressor foi morto.

Dois hospitais de Jerusalém indicaram posteriormente que seis pessoas estavam em suas unidades, entre eles um adolescente, e que dois estão em estado grave.

O Ministério da Saúde palestino confirmou que o agressor, Muhannad Mohammad al-Mazaraah, de 20 anos, foi morto por "balas da ocupação".

O agente que o matou, cuja identidade não foi revelada, declarou que estava no barbeiro quando ouviu tiros e gritos. Detalhou ainda que o agressor usava um colete amarelo e possuía uma pistola.

"Não estava certo de que se tratava de um terrorista", relatou em um vídeo divulgado pela polícia.

"Gritei para que parasse e carreguei minha pistola. Começou a atirar contra mim e entendi que se tratava de um terrorista", explicou.

O ministro de Segurança Doméstica, o radical de direita Itamar Ben Gvir, agradeceu ao agente pela rápida reação e enalteceu a política governamental de distribuição de armas.

É "uma política importante que demonstra sua eficácia", disse ele, após visitar o local do ataque.

O ministro, nomeado em dezembro, tem trabalhado para agilizar o processo de emissão de licenças para o porte de armas.

Outro incidente foi registrado nesta terça no sul da Cisjordânia, ocupada por Israel desde 1967, quando um grupo de soldados abordou um palestino em um ponto de ônibus.

"O suspeito tentou esfaqueá-los. Um dos soldados neutralizou o agressor", declarou o Exército em comunicado, acompanhado da foto de uma faca.

O Ministério da Saúde palestino o identificou como Mohammad Farid al-Zaarir, de 15 anos, e confirmou sua morte.

Desde o início de 2022, a Cisjordânia ocupada tem sido cenário de uma série de ataques, tanto de palestinos contra israelenses, como de colonos israelenses contra comunidades palestinas.

Em 2023, pelo menos 204 palestinos, 27 israelenses, uma ucraniana e um italiano morreram em atos de violência relacionados ao conflito israelense-palestino, segundo uma recontagem da AFP elaborada a partir de fontes oficiais.

Acompanhe tudo sobre:CisjordâniaPalestina

Mais de Mundo

EUA promete enviar ajuda militar à Ucrânia 'nas próximas horas'

"Portugal deve pagar pela escravidão", diz presidente do país

Senado dos EUA aprova pacote de ajuda de US$ 95 bi para Ucrânia, Israel e Taiwan

Maduro anuncia reabertura de escritório de Direitos Humanos da ONU na Venezuela

Mais na Exame