Acompanhe:

OPINIÃO: Oposição sempre favorita: a vitória de Petro e o novo normal na América Latina

A vitória de Gustavo Petro na Colômbia é histórica por inúmeros aspectos. Será o primeiro presidente eleito de esquerda e terá a primeira mulher negra como vice

Modo escuro

Continua após a publicidade
O candidato à presidência da Colômbia, Gustavo Petro (Henry Romero/Reuters)

O candidato à presidência da Colômbia, Gustavo Petro (Henry Romero/Reuters)

D
Da Redação

Publicado em 19 de junho de 2022 às, 20h38.

Por Maurício Moura*

“Em time que está ganhando não se mexe”, essa é uma das muitas frases folclóricas que o futebol nos brinda. Na política, as evidências empíricas apontam que governos bem avaliados são reeleitos, enquanto governos desaprovados costumam ter sérias dificuldades eleitorais.  A vitória de Gustavo Petro na Colômbia é histórica por inúmeros aspectos. Será, por exemplo, o primeiro presidente eleito de esquerda e ainda terá a primeira mulher negra como vice-presidente. Nada trivial para o histórico do país. Todavia, a mensagem da opinião pública colombiana corrobora uma tendência consistente na América Latina moderna: está cada vez mais duro ser governo.

Na Argentina, o presidente Mauricio Macri, perdeu a reeleição porque seu governo era mais desaprovado que aprovado. Vale ressaltar, que o argentino melhorou sua popularidade durante a campanha, mas não foi suficiente para garantir um segundo mandato.

Na Bolívia, o governo provisório, amplamente mal avaliado pela opinião pública, amargou uma derrota para o mesmo grupo político de Evo Morales, ainda que com um candidato mais moderado.

VEJA TAMBÉM:

Gustavo Petro é eleito presidente da Colômbia

No Peru, dois candidatos amplamente (Pedro Castillo e Keiko Fujimori) contrários ao presidente em exercício foram ao segundo turno. A política peruana talvez seja o maior exemplo da fragilidade do poder presidencial.  Nenhum presidente desde Alberto Fujimori (preso por corrupção) conseguiu um apoio sustentável da opinião pública durante os mandatos.

Recentemente no Chile, o ex-líder estudantil e esquerdista Gabriel Boric, é claramente contrário ao ex mandatário Sebastian Pinera. Aliás, Peru, Chile e Colômbia já eliminaram os grupos políticos incumbentes no primeiro turno. Isso dá a dimensão da vontade de mudança dos eleitores desses países.

E não foram somente os políticos de esquerda que surfaram o sentimento de mudança. No Uruguai, Luis Pou, de centro-direita, derrotou a Frente Ampla (uma aglomeração de partidos de esquerda) que vinha governando o país. No Equador, a chapa de Andres Arauz e Rafael Correa (ex-presidente) foi derrota pelo empresário Guillermo Lasso.  O potencial incumbente, o presidente Lenín Moreno (que foi vice de Correa) nem chegou a concorrer.

Portanto, na América Latina, buscar reeleição passou a ser sinônimo de viver na corda bamba.  E se em time que está ganhando não se mexe, os times da terra da Libertadores seguem sofrendo seguidas derrotas. Mudança, acima de tudo, é o novo normal.

*Maurício Moura, fundador e presidente do instituto de pesquisa de opinião pública IDEIA e professor da Universidade George Washington, nos Estados Unidos

Últimas Notícias

Ver mais
ELN libertou 26 reféns desde dezembro, anuncia governo da Colômbia
Mundo

ELN libertou 26 reféns desde dezembro, anuncia governo da Colômbia

Há 2 dias

Presidente da Colômbia apoia Lula em disputa com Israel
Mundo

Presidente da Colômbia apoia Lula em disputa com Israel

Há uma semana

Petro, da Colômbia, defende Lula após declarações sobre a Faixa de Gaza
Mundo

Petro, da Colômbia, defende Lula após declarações sobre a Faixa de Gaza

Há uma semana

ONU pede à Colômbia garantias para eleição de procurador-geral
Mundo

ONU pede à Colômbia garantias para eleição de procurador-geral

Há 2 semanas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais